Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 02 / CUT: em vez de intervenção, eleições deveriam ser antecipadas

Desgoverno

CUT: em vez de intervenção, eleições deveriam ser antecipadas

Para presidente da central, medida no Rio reflete clima de "desmando" e "confusão institucional" após queda de Dilma. "O sentimento é de nau sem rumo", afirma. Atos de segunda-feira estão mantidos
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 16/02/2018 14h14, última modificação 16/02/2018 14h38
Para presidente da central, medida no Rio reflete clima de "desmando" e "confusão institucional" após queda de Dilma. "O sentimento é de nau sem rumo", afirma. Atos de segunda-feira estão mantidos
Roberto Parizotti/CUT
Vagner Freitas

Vagner Freitas: até o carnaval mostrou insatisfação da sociedade com o que acontece no Brasil

São Paulo – Para o presidente da CUT, Vagner Freitas – que confirmou a manutenção dos protestos e paralisações contra a "reforma" da Previdência na próxima segunda-feira (19) –, a intervenção militar no Rio de Janeiro anunciada hoje reflete um clima de "desmando" no país, instaurado desde a deposição de Dilma Rousseff. "A culpa disso é o sentimento que o brasileiro tem, de desgoverno, de nau sem rumo, confusão institucional. As pessoas não confiam. Em vez de fazer intervenção, deveríamos antecipar as eleições gerais", afirmou, receando que a presença das Forças Armadas atinja as pessoas mais pobres. "Me preocupa muito o que pode acontecer no morro."

Para o dirigente, o presidente Michel Temer "quer um assunto, quer aparecer, influenciar a eleição". Ele considera que a intervenção pode ser uma medida para desviar a atenção das dificuldades que o Planalto enfrenta para votar a "reforma" da Previdência. "Ele não consegue aprovar porque ganhamos a opinião pública. Não quer se mostrar derrotado, mas o governo foi derrotado. Mas não podemos arrefecer", adverte Vagner.

A dificuldade do governo em aprovar a reforma – diante da forte rejeição popular – foi evidenciada pelo governo em pronunciamento feito no início desta tarde. O governo admitiu não ter votos ao afirmar que assim que emenda que restringe o acesso dos brasileiros estiver "pronta". "Quando a reforma da Previdência estiver pronta para ser votada, vou cessar a intervenção", disse Temer.  

Segundo Vagner Freitas, os protestos previstos para segunda-feira em todo o país, contra a "reforma", estão mantidos. A intervenção, inclusive, agrava a situação, avalia o presidente da CUT. "A falta de segurança não é só responsabilidade do estado do Rio", afirmou, citando o emenda constitucional de congelamento de gastos públicos, o que inclui a área de segurança pública. "E também por causa de um desgoverno no Brasil, um golpe que depôs uma presidenta legitimamente eleita, a condenação infame do presidente Lula. Isso tudo vai criando uma sensação de desmando."

O sindicalista acredita que a segunda-feira deverá ser um dia em que os trabalhadores e a sociedade em geral demonstrem "sua insatisfação também em relação ao que tem acontecido no Brasil nos últimos anos, desde o desgoverno Temer". Em grande medida, avalia, a votação não ocorreu pela pressão feita até aqui. "Boa parte desses deputados não vota pelas pressões que nós realizamos. Eles não têm votos porque fizemos o trabalho de ganhar a opinião pública", afirmou Vagner, alertando que é preciso manter a mobilização. "Não dá para esmorecer agora. É importante a gente continuar com a guarda alta, pressionando para que a reforma não aconteça."

Uma possível derrota de Temer e seus aliados na questão da Previdência pode ter efeito, inclusive, para acumular forças pela retomada de outros direitos, atingidos por medidas do governo. Para Vagner, isso demonstra que o governo "não pode tudo", mesmo com uma ação "violenta e agressiva" em torno do que ele chama de "joia da coroa para quem financiou o golpe". Pode ser também "o estopim para a gente derrotá-los em outras frentes".

O presidente da CUT destaca ainda o "carnaval de protestos" deste ano, não apenas no Sambódromo, mas nos blocos de rua. "Fica claro o baixíssimo ibope dos golpistas e que a sociedade não tem concordância com as medidas. Ficou claro que temos condições de fazer uma disputa na sociedade, que essa direita brasileira conservadora não tem alternativa eleitoral, nenhum de seus candidatos decola".