resistência internacional

Sindicalistas norte-americanos apelam para que Obama e Trudeau não reconheçam Temer

Coalizão dos Sindicalistas Negros engrossa o discurso de centrais contra o golpe no Brasil e pedem para que os presidentes do Canadá e dos Estados Unidos rechacem o governo interino

wikicommons
trubama.jpg

Trudeau e Obama: ‘Não podem ficar em silêncio diante da injustiça’, pede a CBTU

São Paulo – A Coalizão dos Sindicalistas Negros (CBTU) dos Estados Unidos publicou uma resolução apelando aos presidentes Barack Obama, dos Estados Unidos, e Justin Trudeau, do Canadá, para que não reconheçam o governo interino de Michel Temer (PMDB). “A CBTU condena o golpe legislativo vigente no Brasil contra o governo eleito da presidente Dilma Rousseff”, afirma.

O documento, assinado ema 26 de maio, é intitulado “Justiça e Democracia no Brasil” e reúne considerações e posicionamentos da coalizão sobre a conjuntura brasileira. “Rejeitamos veementemente os esforços de invalidar as políticas progressistas e conquistas projetadas para construir uma democracia inclusiva no Brasil e em apoio aos programas democráticos e pró-trabalhadores.”

A organização sindical norte-americana considera que o afastamento de Dilma foi planejado pelo Legislativo a fim de minar os avanços sociais dos últimos governos do PT. “A justiça social vem sendo executada e administrada com profissionalismo e sucesso, tirando mais de 40 milhões de pessoas da pobreza.”

A manifestação da CBTU engrossa o caldo do discurso de organizações de trabalhadores em todo o mundo contra o golpe. A organização afirma estar alinhada com a Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL-CIO), da qual faz parte, e que, por sua vez, se pronunciou em nota: “A CBTU se junta ao coro da AFL-CIO, das inúmeras organizações de direitos humanos e trabalhistas em todo o mundo, que apelam ao presidente Barack Obama para ‘condenar publicamente o golpe e apoiar o governo democraticamente eleito pelo povo brasileiro’”.

A defesa dos direitos trabalhistas é um dos temas que norteia a manifestação da CBTU. “O novo gabinete do governo instalado pela direita é majoritariamente rico, branco e masculino (…) seu programa econômico inclui a redução das leis trabalhistas através da permissão aos empregadores de terceirizarem qualquer emprego, cortando benefícios e elevando a idade para a aposentadoria dos trabalhadores, vendendo petróleo e outras indústrias nacionais a empresas multinacionais e retirando das comunidades afrobrasileiras (quilombos) os tradicionais direitos da terra”, diz.

A organização chega a traçar um paralelo dos ataques sofridos por Obama em seu país. Por ter defendido pautas como a da saúde pública, o presidente norte-americano é frequentemente atacado por setores de direita radical, como o Tea Party. “A linguagem da divisão e o ódio direcionado contra Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ecooam as injúrias lançadas contra o presidente Barack Obama pela direita organizada nos Estados Unidos”, afirma a nota.

“Os governos norte-americanos “não podem ficar em silêncio diante da injustiça, e que a CBTU continuará a lutar juntamente com nossas companheiras e companheiros brasileiros contra o racismo e a violência para defender a democracia e por uma vida de dignidade e igualdade”, conclui a nota.