Você está aqui: Página Inicial / Jornais / Limeira / Após quatro meses, moradores se queixam de ambulatório em Limeira
Limeira

Após quatro meses, moradores se queixam de ambulatório em Limeira

As histórias cabeludas de quem vai ao AME
por João de Barros, Brasil Atual Limeira publicado , última modificação 25/06/2010 17h02
As histórias cabeludas de quem vai ao AME

O AME está na UTI (Foto: João C. Figueiredo)

O prédio onde está o AME foi construído com verba municipal para ser o Ambulatório da Mulher. Mas, depois de negociações com o governador José Serra, ele foi cedido ao governo do Estado e virou  AME – Ambulatório Médico de Especialidades. Na inauguração, Serra prometeu acabar com as filas, falou que seriam realizadas 15 mil consultas, em 30 especialidades, e cinco mil exames todo mês. 

Quatro meses depois, a população decepcionou-se com o atendimento: faltam consultas, exames e há aparelhos caríssimos parados. Por falta de transparência na administração, ninguém sabe quais são as vagas disponíveis e como fazer o encaminhamento para conseguir exames  – não se sabe até hoje quantas consultas foram realizadas desde a inauguração. O tempo de espera para cardiologia, por exemplo, é de, no mínimo, 30 dias.

A Conselheira de Saúde, Ivanice da Silveira Santos, cita como exemplo o primeiro dia de atendimento . “Foram encaminhadas, pelo município de Limeira, 30 mulheres para consultas e exames específicos, mas 50% delas foram dispensadas por falta de vagas. Como é possível um AME, no seu primeiro dia de funcionamento, não ter vagas?” – indaga. 

O AME não pode substituir o ARE – Ambulatório Regional em Especialidades. O ARE realiza consultas, faz exames, próteses,  cirurgias mais complexas e distribui remédios de alto custo. O  problema do ARE, que também é estadual, é falta de estrutura física. Ele também funciona num prédio velho da Prefeitura, pequeno, mal conservado, sem condição digna de atendimento e de trabalho para os profissionais. 

registrado em: