Home Educação Professores denunciam más condições de trabalho na rede pública de São Paulo
educação precária

Professores denunciam más condições de trabalho na rede pública de São Paulo

Profissionais de ensino citam efeitos do fechamento de salas e falam sobre a falta de estrutura e até de merenda
Publicado por Redação RBA
15:22
Compartilhar:   
MÍDIA NINJA
Manifestação de estudantes

Além da infraestrutura prejudicada, foram mais de 9 mil salas de aulas fechadas entre 2015 e 2018, em SP

São Paulo – Goteiras em salas de aulas, falta de impressoras e de merenda. O cenário das escolas técnicas e da rede pública relatado por professores revela parte do atual cenário da educação pública no estado de São Paulo.

O professor de sociologia e artes da Escola Estadual Professor Narbal Fontes, Silvio Viana, conta à repórter Beatriz Drague Ramos, da Rádio Brasil Atual, que gasta seu próprio dinheiro para imprimir o material de suas aulas. “A situação no estado é precária. Não temos nem impressora na escola, nem material. Os professores se viram. O docente não pode explicar a matéria como quer também, mas como o governo quer. Isso precariza o processo de aprendizado.”

Micheli Souza da Silva, professora de sociologia da Escola Estadual Professor Augusto de Carvalho, na Freguesia do Ó, afirma que a reorganização escolar fechou aproximadamente 35% das salas de aula da escola em que leciona. “A gente tem um processo de reorganização na qual 35% das salas foram fechadas. As escolas possuem goteiras, falta de funcionários. O governador roubou merenda dos estudantes e, hoje, é um presidenciável”, critica.

Além da infraestrutura prejudicada, foram mais de 9 mil salas de aulas fechadas entre 2015 e 2018, sendo 1800 delas apenas este ano, de acordo com dados do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, a Apeoesp.

Relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) do ano passado explica a superlotação de salas de aula, criticada pelo sindicato, como um dos resultados da eliminação de aproximadamente 270 turmas de primeiro ano do ensino médio.

Por meio de nota, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo afirmou que não houve fechamento de salas na Escola Estadual Professor Augusto Carvalho e que a Escola Estadual Professor Narbal Fontes possui a quantidade de professores dentro do recomendado pela Secretaria. A nota acrescenta que a oferta de merenda segue feita normalmente.

Ouça a reportagem da Rede Brasil Atual