Home Economia Emprego formal tem resultado fraco, mas governo comemora
Carteira

Emprego formal tem resultado fraco, mas governo comemora

Saldo foi de 34.313 vagas com carteira assinada em janeiro, metade de 2018 e equivalente a outros anos fraco. Quem entra segue ganhando menos em relação aos que saem
Publicado por Redação RBA
17:35
Compartilhar:   
Reprodução
trabalho

País tinha estoque de 38,4 milhões de vagas formais em janeiro. Em 2015, eram 40,7 milhões

São Paulo – O mercado formal de trabalho abriu 34.313 vagas em janeiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (28) pelo Ministério da Economia. Foi o segundo melhor resultado para janeiro em seis anos, lembrou o governo, que comemorou o resultado do primeiro mês de 2019. Mas a variação, de apenas 0,09%, foi equivalente a outros anos fracos, como 2013 e 2014, e menos da metade do saldo de janeiro de 2018. O saldo de 2010, o melhor da série, superou 181 mil.

Em números absolutos, o setor de serviços foi o que criou mais postos de trabalho: 43.449, crescimento de 0,25%. A indústria de transformação abriu 34.929 (0,49%), com destaque para o segmento têxtil e de vestuário. E a construção civil foi responsável por mais 14.275 vagas, na maior alta percentual do mês (0,72%).

O resultado do Caged mostrou também concentração em duas regiões, Sul e Centro-Oeste. O Sudeste ficou estável, enquanto Norte e Nordeste registraram redução de vagas. Só 11 das 27 unidades da federação tiveram variação positiva, com destaque para Santa Catarina (20.157), São Paulo (14.648) e Rio Grande do Sul (12.431). O Rio de Janeiro fechou 12.253, a Paraíba eliminou 7.845 e Pernambuco, 7.242.

Mais uma vez, quem entra no mercado formal recebe menos. O salário médio de admissão em janeiro foi de R$ 1.618,96, enquanto os demitidos no mês passado ganhavam em média R$ 1.713,93.

Em 12 meses, o Caged registra saldo de 471.741 postos com carteira assinada, variação de 1,24%. O estoque agora é de 38,445 milhões de vagas formais. No melhor momento, em janeiro de 2015, chegou a 40,694 milhões.

Item previsto na “reforma” trabalhista, o desligamento mediante “acordo” entre empregador e empregado teve 17.754 casos em janeiro, em 12.432 estabelecimentos. O trabalho intermitente teve saldo de 3.352 empregos e a modalidade de tempo parcial, 135. São itens que os defensores do projeto de “reforma” defendiam para a retomada do emprego no país.

As principais ocupações requisitadas no trabalho intermitente foram alimentador de linha de produção (340), montador de máquinas (218), soldador (200) e garçom (164). No tempo parcial, recepcionista (85), auxiliar de escritóri (66) e metrologista (47).