imparável

Juros bancários continuam a subir e batem novos recordes

Taxa de empréstimos às pessoas físicas chegam a 59,5% ao ano, enquanto juros do cartão de crédito batem 395,3%

Marcos Santos/USP Imagens
cred_cai_ina52.jpg

Taxa das compras parceladas com juros, de parcelamento de fatura de cartão de crédito ficou em 119,5% ao ano

Brasília – A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito chegou a 395,3% ao ano, em julho, índice recorde para a série histórica, iniciada em março de 2011. Os dados foram divulgados hoje (26) pelo Banco Central (BC). Em relação a junho, a taxa média subiu 23,2 pontos percentuais.

O rotativo do cartão de crédito é a operação em que o cliente financia o saldo devedor remanescente após pagar somente uma parte da fatura. Também são consideradas como rotativo as operações de saque na função crédito.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, orienta os consumidores a evitar o crédito rotativo (cartão e cheque especial). “É um custo muito elevado. Temos reiterado que o crédito rotativo deve ser tomado pontualmente por um prazo muito curto.”

A taxa das compras parceladas com juros, de parcelamento de fatura de cartão de crédito e de saques parcelados subiu 1,3 ponto percentual, de junho para julho, e ficou em 119,5% ao ano.

A taxa de juros do cheque especial também subiu 5,6 pontos percentuais de junho para julho e ficou em 246,9% ao ano.

No caso do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento), os juros subiram 0,5 ponto percentual, para 27,8% ao ano.

Já os juros do crédito para a compra de veículos caiu 0,2 ponto percentual e ficou em 24,5% ao ano. A taxa do crédito renegociado também caiu, 0,7 ponto percentual, para 45,7% ao ano.

Empréstimo

Os juros cobrados nos empréstimos dos bancos às famílias continuou a subir em julho. De acordo com dados do Banco Central, a taxa média de juros chegou a 59,5% ao ano. Essa é a maior taxa da série histórica do BC, iniciada em março de 2011. De junho para julho, essa taxa subiu 1,1 ponto percentual.

As empresas também pagaram juros mais caros. A taxa subiu 0,4 ponto percentual de junho para o mês passado, quando ficou em 27,9% ao ano.

A inadimplência das famílias (pessoas físicas), considerados os atrasos acima de 90 dias, subiu 0,1 ponto percentual para 5,4%. No caso das empresas (pessoas jurídicas), a inadimplência subiu 0,2 ponto percentual para 4,1%.

Esses dados de juros e inadimplência são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros.

No caso do direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura), a inadimplência ficou estável para as empresas (0,7%) e subiu 0,1 ponto percentual para as pessoas físicas (1,8%).

A taxa de juros do crédito direcionado para as famílias subiu 0,8 ponto percentual, chegando a 10% ao ano. Para as empresas, houve alta de 0,7 ponto percentual, para 10,2% ao ano.

O BC também informou que o endividamento das famílias em junho correspondeu a 45,8% da renda acumulada nos últimos 12 meses. O resultado é 0,3 ponto percentual menor do que o de maio (46,1%). Ao se desconsiderar o endividamento com financiamento imobiliário, a taxa ficou em 27,1%, queda de 0,3 ponto percentual em relação a maio.

O saldo total dos empréstimos chegou a R$ 3,110 trilhões, em julho, com alta de 0,3% em relação a junho. Em 12 meses, o crédito cresceu 9,9%.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, disse que o crédito tem crescido em ritmo moderado este ano, “em linha” com a projeção para a expansão do saldo este ano (9%). Maciel acrescentou que o crédito livre foi “mais fraco” em julho e os empréstimos direcionados mantiveram a tendência de desaceleração. Segundo Maciel, essa desaceleração ocorre por influência da elevação dos custos dos empréstimos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da moderação da atividade econômica.