Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2011 / 05 / Balança teve melhor saldo do ano em abril

Balança teve melhor saldo do ano em abril

Superávit foi de US$ 1,863 bilhão, levando o saldo total de 2011 a US$ 5,032 bilhões
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 02/05/2011 15h58, última modificação 02/05/2011 23h36
Superávit foi de US$ 1,863 bilhão, levando o saldo total de 2011 a US$ 5,032 bilhões

 

São Paulo – A balança comercial brasileira teve superávit de US$ 1,863 bilhão em abril, melhor resultado do ano, com US$ 20,173 bilhões em exportações e US$ 18,310 bilhões em importações. Com base na média diária, as exportações cresceram 40,1% sobre abril de 2010 e 15,1% em relação a março deste ano. Já as importações tiveram altas de 38,9% e 14,1%, respectivamente. O saldo de abril foi 45,2% superior a igual período de 2011 (US$ 1,283 bilhão).

De janeiro a abril, o superávit atinge US$ 5,032 bilhões, ante US$ 2,166 bilhões em igual período do ano passado, variação de 132,3%. As exportações somaram valor recorde US$ 71,405 bilhões, crescimento de 31,3%, enquanto as importações totalizaram US$ 66,373 bilhões, número também recorde, com alta de 27,1%.

Em 12 meses, o saldo comercial está positivo em US$ 23,087 bilhões. O valor está 11,2% acima do período imediatamente anterior (US$ 20,760 bilhões).

Apenas em abril, os produtos básicos registraram valor recorde para o mês, com as exportações somando US$ 10,316 bilhões. O principal item exportado foi minério de ferro, principalmente para China, Japão e Países Baixos. com US$ 2,588 bilhões, os semimanufaturados também tiveram recorde abril, com destaque para açúcar em bruto. Os principais produtos foram Rússia, Argélia e Nigéria.

Meta

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, anunciou nesta segunda-feira (2) uma nova meta para as exportações brasileiras em 2011, no total de US$ 245 bilhões. O valor é 21% superior ao resultado de 2010 (US$ 201,916 bilhões). Segundo ele, trata-se de uma previsão conservadora.

"Reajustamos em função do desempenho da economia mundial no primeiro quadrimestre", justificou o ministro. "Se concretizada a meta, será um recorde histórico."