Dia de luta

8M: mulheres fazem atos pelo Brasil por vacina e renda

Manifestações respeitaram o protocolo sanitário e não promoveram aglomerações

MST
Mulheres realizaram um ato em frente à empresa Camil, na cidade de Barra Bonita, em São Paulo, contra o aumento no preço do arroz

São Paulo – O 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, iniciou com atos de mulheres em diversas cidades por vacina contra a covid-19 e renda básica, por meio do auxílio emergencial. Pelo Brasil, trabalhadoras protestaram também contra a fome e em defesa de moradia. As manifestações respeitaram protocolos de saúde e não promoveram aglomerações.

Pela manhã desta segunda, cerca de 20 mulheres realizaram um ato em frente à empresa Camil, em Barra Bonita (SP), contra o aumento no preço do arroz. Sob o lema “Mulheres pela vida, semeando resistência, contra a fome e as violências”, o ato faz parte da Jornada de Luta do 8 de Março do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

O protesto criticou os interesses do agronegócio do Brasil. O país desfez o “estoque regulador”, ou seja, garantia o preço e acesso da população aos produtos, mesmo diante do aumento da demanda. Entretanto, com a pandemia, as empresas priorizam a exportação e, como exemplo disso, em um ano, as ações da empresa Camil subiram 92%.

Em Minas Gerais, no município de Governador Valadares, mulheres também ocuparam a BR-116 “pela vida, contra a fome, as violências e pela abertura imediata do hospital regional”. Elas também exigiram o retorno do auxílio emergencial e vacina para todas e todos.

Em Recife, as mulheres da Ocupação Carolina de Jesus também realizaram uma paralisação. Elas protestaram na BR-101 para reivindicar vacina para todo mundo, renda básica e moradia. “O Bolsonaro não está nem aí para os trabalhadores. Cadê o auxílio emergencial dos trabalhadores? As mulheres estão sobrecarregadas”, disse uma manifestante, durante o ato.

Outros atos

Na capital paulista, as mulheres fizeram atos e panfletaços na estação de metrô Artur Alvim, localizada na Zona Leste. Já no Terminal João Dias, na Zona Sul, as trabalhadoras também conversaram com a população sobre a necessidade de vacina e o auxílio emergencial.

Em Jarú, no interior de Rondônia, mulheres da Via Campesina organizam a ornamentação da cidade com placas de #MulheresPeloForaBolsonaro para marcar o dia internacional de luta das mulheres. A luta é pela defesa da vida, pela garantia do SUS para derrotar a fome e as violências.

Já em Curitiba, as mulheres trabalhadoras da educação fizeram um ato, em frente ao Palácio Iguaçu, sede do governo do Paraná, contra a volta as aulas, por vacina para toda a população e em memória às milhares de vítimas da pandemia de covid-19.

*Com informações do Brasil de Fato