Home Cidadania Após ‘gestão empresarial’ de Doria, desigualdade persiste em São Paulo
descaso

Após ‘gestão empresarial’ de Doria, desigualdade persiste em São Paulo

Expectativa de vida, crianças nascidas com peso baixo, dificuldade em marcar consultas médicas ou conseguir vaga em creche e falta de equipamentos culturais são itens elencados na pesquisa
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
16:38
Compartilhar:   
Tuca Vieira/Folhapress
mapa da desigualdade sp 2018

Desigualdade na capital paulista é um problema grave e ainda distante de ser resolvido, aponta a Rede Nossa São Paulo

São Paulo – Um ano depois do início da “gestão empresarial” do ex-prefeito e governador eleito do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), a desigualdade social na capital paulista se aprofundou, em comparação com 2013, primeiro da gestão de Fernando Haddad (PT).

É o que revela o Mapa da Desigualdade 2018, lançado hoje (28) pela Rede Nossa São Paulo, que compila dados do ano de 2017. “A cidade persiste na desigualdade. São 77 distritos, ou 87% da população vivendo em territórios marcados pela exclusão social”, lamentou a doutora em assistência social e pesquisadora Dirce Koga, coautora do Mapa da Exclusão e Inclusão Social de São Paulo.

Mesmo os índices que tiveram melhora mantêm níveis alarmantes de desigualdade, sobretudo na relação entre a região nobre central e as periferias sul, norte e leste. “É preciso que todo gestor público atue para combater as desigualdades. Mas, até hoje, não conseguimos que a prefeitura divulgue a execução do orçamento regionalizada por distrito. O que possibilitaria a cobrança, questionar por que coloca dinheiro aqui e não ali. O investimento da verba pública é um caminho fundamental para combater as desigualdades”, afirmou o presidente do conselho da Oxfam Brasil, o empresário Oded Grajew.

Um dado que apresentou melhora, mas segue sendo um exemplo da situação é a idade média ao morrer. A expectativa média de vida de um morador do Jardim Paulista, região nobre da cidade conhecida como Jardins, é de 81 anos. Já no extremo leste da capital paulista, em Cidade Tiradentes, a expectativa média é de apenas 58 anos. No ano passado, a expectativa era de 79 e 55 anos, respectivamente. A expectativa mais baixa é quase a mesma para moradores do Grajaú, Parelheiros, Campo Limpo (zona sul), Perus (zona norte) e Guaianases (zona leste). São até 23 anos de vida a menos para um morador da mesma cidade.

No caso dos leitos hospitalares, 29 distritos continuam sem ter nenhum hospital. Dentre os que possuem ao menos uma unidade de pronto atendimento, o distrito de São Rafael, na zona leste, tem a pior situação: apenas 0,04 leito para atender cada grupo de 10 mil habitantes. Situação oposta à da Bela Vista, na região central, que tem 48 leitos para cada 10 mil habitantes.

As crianças nascidas com baixo peso, menos de 2,5 quilos, estão em quase toda a cidade. Segundo o mapa, entre 7,5% e 12% das crianças nascidas na cidade estão nessa situação. As exceções são os distritos de Pari, Brás e Santa Cecília, onde a taxa é inferior a 7,5%. O índice de desigualdade piorou 11,2% na comparação com 2013.

O tempo de espera por consultas médicas continua alto na capital paulista. A população da maior parte dos distritos tem de esperar entre 36 e 108 dias para conseguir uma consulta. Os piores são: Anhanguera, Brasilândia e Mandaqui, na zona norte; São Miguel, Guaianases, Iguatemi e São Rafael, na zona leste; Grajaú e Capela do Socorro, na zona sul; e Vila Leopoldina, na zona oeste.

Na educação, a espera por vaga em creche segue sendo um problema para moradores da maior parte das zonas sul, norte e, em menor grau, na zona leste. O tempo de espera por uma vaga vai de cem a 300 dias na maior parte da cidade, chegando a até 400 dias em Pedreira e Cidade Ademar, na zona sul, e Vila Andrade, na zona oeste. Apesar disso, as periferias contam com os maiores índices de atendimento em creche, com a maior parte dos distritos tendo entre 86% e 99% da demanda atendida.

O número de “zeros” da cidade segue na mesma proporção dos anos anteriores. São 53 distritos sem nenhum espaço cultural, 37 sem bibliotecas para adultos e 36 para crianças, 42 sem teatros, 11 sem qualquer equipamento esportivo público e cinco sem nenhuma unidade básica de saúde.