Home Blogs Marina errou ao apostar em grife partidária em vez de mobilização por reformas

Marina errou ao apostar em grife partidária em vez de mobilização por reformas

Publicado por helena
15:17
Compartilhar:   
Fábio R. Pozzebom / ABr
Marina_Silva_ABr.jpg

Marina Silva mostrou que não soube aproveitar o cacife político que seus votos lhe proporcionaram em 2010

O partido Rede Sustentabilidade não conseguiu cumprir as exigências para obter seu registro a tempo de disputar as eleições de 2014. Marina cometeu uma série de erros neste processo. O mais grave de todos foi vender a ideia “sonhástica”, um termo usado por ela, de que a simples criação de um novo partido seria o caminho para a redenção das mazelas políticas. Não é.

Sem reforma política, novos partidos não conseguirão fazer mudanças profundas. As formas de se eleger, com forte influência privada do poder econômico, é o maior de todos os entraves. Campanhas caríssimas para o parlamento levam os eleitos, mesmo os mais honestos, a incharem seus gabinetes como instrumento de sobrevivência para a reeleição. Bancadas eleitas via poder econômico e marketing, sem raízes populares, impõem severos entraves à governabilidade.

A própria portabilidade de fundo partidário e tempo de TV de deputados eleitos por uma legenda e que migram para um novo partido, provoca uma farra de aliciamento e fisiologismo. Com Rede Sustentabilidade ou sem ela, Marina tem e teria de conviver com tudo isso, sem que haja uma reforma política profunda.

Do alto de seus 20 milhões de votos conquistados em 2010, e sem estar presa à responsabilidade de exercer um papel de governo, Marina poderia ter ficado em algum partido já existente, como talvez venha a se filiará agora, e ter se dedicado à necessária mobilização pela reforma política.

A partir da conquista de novas regras eleitorais, faria mais sentido uma reorganização partidária para reacomodar as forças políticas à uma nova ordem. Ao optar por um novo partido como se fosse uma grife de marca, diferente na superficialidade, mas igual nas estruturas – pela ausência de uma reforma política –, Marina optou pelo atalho do marketing fácil, em detrimento do duro embate político de tomar lado por temas polêmicos que dividem opiniões e que poderia afastar apoiadores como o Banco Itaú e a Natura.

Mas mesmo na escolha pelo atalho mais fácil para tentar chegar à presidência da República, Marina continuou cometendo erros. Ela saiu do Partido Verde em meados de 2011. Poderia ter iniciado o processo de criação do partido desde aquela época. Passou mais de um ano e meio parada e deixou para criar seu partido na última hora.

Só deflagrou o processo em fevereiro deste ano, sabendo que só tinha até 5 de outubro cumprir todas as exigências que a lei exige, incluídas aí a coleta de assinaturas expressando apoio à criação da nova legenda. Um prazo muito pequeno. Como agravante ao improviso do tempo, saiu colhendo assinaturas à esmo, até no meio de manifestações de rua, quando poucos estão com seus títulos de eleitores à mão.

Deve ter havido muita gente que assinou com rubrica diferente da assinatura original e sem saber informar corretamente sua zona eleitoral. Cartórios eleitorais não podem validar assinaturas que não batem com aquela que o eleitor registrou quando tirou seu título, senão estariam cometendo fraude. Caberia ao próprio partido de Marina reapresentar novas assinaturas consistentes, coisa que deverá fazer nos próximos meses para concluir a criação do partido.

Outro erro foi pressionar o Tribunal Superior Eleitoral a agir fora da lei, a dar um jeitinho, repetindo péssimo hábito de querer dar “carteiradas”. Afinal, lutamos todos para que a lei seja igual para todos, e é um péssimo exemplo alguém que queira presidir a República pedir privilégios para descumprir a lei.

As escolhas erradas de Marina Silva têm mostrado que ela não soube ocupar o espaço de liderança política que se abriu para ela com a surpreendente votação que teve em 2010. Apequenou-se e complicou-se por conta própria diante de suas oportunidades e de seu capital político. Caso confirme sua candidatura por outro partido, a expectativa de que possa surpreender em 2014 ficou menor.