Home Ambiente Comemoração pelo Dia da Mata Atlântica fica inibida diante das ameaças de Bolsonaro
Retrocessos

Comemoração pelo Dia da Mata Atlântica fica inibida diante das ameaças de Bolsonaro

Bioma vê redução no desmatamento, mas, para diretor da Fundação SOS Mata Atlântica, a luta precisa ser constante para frear a "destruição" imposta pelo próprio poder público
Publicado por Clara Assunção
11:54
Compartilhar:   
Tânia Rêgo/EBC

Fruto de uma luta constante pela preservação, nove dos 17 estados alcançaram desmatamento zero. Mas ruralistas e novo governo ameaçam essas conquistas

São Paulo – Esta segunda-feira (27) marca o Dia da Mata Atlântica, em que se comemora não apenas a preservação desse bioma, mas a recente redução do desmatamento verificada pelo Atlas da Mata Atlântica, que apontou uma queda, entre 2017 e 2018 , de 9,3% da devastação florestal com relação ao período anterior, 2016 e 2017. A marca, por sua vez, já tinha sido o menor índice de desmatamento registrado pela série histórica produzida pela Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Um resultado, de acordo com o diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani, que é fruto de uma “luta constante” e que até mesmo “impressiona, diante da cultura de degradação no Brasil desde que o branco chegou”, como descreve à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual.

Ao todo, 3.429 municípios fazem parte do bioma, dentre os mais de 5.570 que compõem o território do país.  A série histórica indica ainda que nove dos 17 estados brasileiros foram agrupados no nível de desmatamento zero.

Ainda assim, Mantovani é enfático ao dizer que apesar dos dados positivos, o atual governo de Jair Bolsonaro ameaça a continuidade das políticas de preservação ambiental, que têm também sido alvos dos ruralistas,  ávidos para flexibilizá-las. “Simplesmente tudo o que está acontecendo hoje no governo, infelizmente, é de destruição. Destruir o Sistema Nacional de Meio Ambiente, toda a legislação que temos até hoje e as estruturas, acabando com os conselhos, como o Conselho Nacional de Meio Ambiente”, alerta o ativista do Mata Atlântica.

Acompanha a íntegra da entrevista