Patacoada

Fim do horário de verão vai no sentido oposto ao da crise ecológica mundial

Segundo professor de Geografia da USP, medida anunciada por Bolsonaro é um erro ao não usar a luz solar em benefício do meio ambiente. 'A quem interessa?', questiona

EBC
Fim do horário de verão

Wagner Ribeiro pondera que o horário de verão é uma ação coletiva em prol do melhor uso do que a natureza oferece

São Paulo – Anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), o fim do horário de verão deve não apenas deixar de economizar energia como vai em sentido contrário aos necessários esforços ambientais. A avaliação é de Wagner Ribeiro, professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) e do Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental. Para ele, a decisão é um grande erro no contexto de crise ecológica mundial.

“É mais uma patacoada. Se diz que aquilo que se economiza de energia não é mais o mesmo de antes, mas de qualquer forma há uma economia, é evidente, não há como negar. Qualquer economia que puder fazer é bem-vinda. O horário de verão causa incômodo em algumas pessoas pela adaptação, mas é uma ação coletiva onde todos estão usando melhor as possibilidades que a natureza oferece. Saber usar a luz solar ao nosso favor é uma medida inteligente”, explica, em entrevista à jornalista Marilu Cabãnas, na Rádio Brasil Atual.

O professor  questiona a quem interessa o fim do horário de verão. Para ele, o maior beneficiado será o setor de telecomunicações, pois para canais de televisão há um transtorno em transmitir programas em rede nacional em horários diferentes, conforme a região do país, considerando que estados do Nordeste e do Norte não adotam o horário. Coincidentemente, Bolsonaro tem privilegiado a TV Record e o SBT para dar entrevistas, além de estar aumentando a verba de propaganda para ambos os canais.

“É uma medida ambientalmente incorreta e pouco inteligente, que não usa ao nosso favor as diferenças regionais e a distribuição de luz no Brasil”, afirma Wagner Ribeiro.

Além do fim do horário de verão, ele critica o fim dos conselhos que garantiam a participação social na elaboração de políticas públicas. Segundo ele, o Brasil era visto como referência na participação popular em temas do governo federal. “Traz muita preocupação esse esvaziamento da participação da sociedade civil na tomada de decisões ambientais.”

Ouça a entrevista na íntegra