Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 05 / Greve dos petroleiros começa com forte adesão em todo o país

#SomosTodosPetroleiros

Greve dos petroleiros começa com forte adesão em todo o país

Movimento não se intimida com decisão precipitada do TST e mantém paralisação de 72 horas. Pesquisa que identificou apoio da população a movimento dos caminhoneiros dá razão aos petroleiros
por Redação RBA publicado 30/05/2018 10h06, última modificação 30/05/2018 13h09
Movimento não se intimida com decisão precipitada do TST e mantém paralisação de 72 horas. Pesquisa que identificou apoio da população a movimento dos caminhoneiros dá razão aos petroleiros
Roberto Parizotti/CUT
Recap Mauá

Faixa na refinaria de Mauá avisa: política de 'Mishell' Temer e Parente faz mal à Petrobrás

São Paulo  – A greve nacional dos petroleiros contra a política de preços de derivados da Petrobras começou à zero hora desta quarta-feira (30), em diversas refinarias e terminais do país, além de plataformas da Bacia de Campos. Para a categoria, a decisão do Tribunal Superior do Trabalho, de antecipar a classificação da greve como "abusiva", afronta o direito de greve.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), a Petrobras e o TST não cumprem a Lei de Greve. "A lei estabelece que temos que comunicar com 72 horas o movimento e que o TST tem de ser mediador entre capital e trabalho. Só nós fazemos o papel de babaca mandando o documento para o TST, que nem olha, e nossa greve sempre é considerada abusiva", diz o coordenador geral da FUP,  José Maria Rangel.

Os organizadores do movimento consideram que o alerta de 72 horas deve atrair a atenção e o apoio da população para a causa que está em jogo: conter o processo de privatização da Petrobras. em as refinarias processam 70% de sua capacidade, o Brasil importa derivados e os brasileiros pagam o preço do combustível e do gás de cozinha com base no mercado internacional.

FUP Rio de Janeiro
Rio de Janeiro

Nesta quarta-feira, o instituto Datafolha divulgou pesquisa em que 87% dos brasileiros disseram apoiar as paralisações dos caminhoneiros, 92% acham o pleito justo e 96% acham que o governo demorou para negociar. 

A pesquisa foi feita ontem (29) por telefone e poderia, portanto, ter ouvido os entrevistados também sobre o movimento dos petroleiros, perguntando, por exemplo: "Você é a favor da greve contra a política de preços do governo?". Entretanto, as respostas dadas à consulta sobre os caminhoneiros permite deduzir essa opinião: os mesmo 87% que apoiam a categoria discordam que a conta do acordo seja repassada à população.

Efeitos na vida de todos 

"O movimentos dos caminhoneiros pautou o preço abusivo do Diesel e estamos pautando a gasolina, o gás de cozinha e todos os demais derivados que afetam a vida dos brasileiros", assinala o secretário-geral da Confederação Nacional dos Químicos (CNQ-CUT), Itamar Sanches. 

Itamar, que é também diretor do Sindicato dos Petroleiros Unificados de São Paulo, afirmou de Paulínia, à Rádio Brasil Atual, que a adesão do pessoal da produção da Replan é de 100% e do administrativo, de 70%. "A participação é muito boa."

Refinaria de Mauá

Além da Replan, os trabalhadores não entraram para trabalhar nas refinarias de Manaus (Reman), Abreu e Lima (Pernambuco), Regap (Minas Gerais), Duque de Caxias (Reduc, no Rio), Capuava (Recap, em Mauá, Grande São Paulo), Araucária (Repar, no Paraná), Refap (RS), além da Fábrica de Lubrificantes do Ceará (Lubnor), da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) e da unidade de xisto do Paraná (SIX).

A categoria informa ainda que os estoques de derivados estão elevados e que não há motivo para preocupação com desabastecimento. 

"A greve já começou no final do dia de ontem. Isso vale para refinarias e terminais. Nas plataformas de produção os trabalhadores estão entregando a planta de produção para as equipes de contingência da Petrobras", relatou José Maria Rangel,  também na Rádio Brasil Atual.

CUT Refinaria de Abreu e Lima
Refinaria de Abreu e Lima (PE)

A FUP prevê que o movimento se amplie durante o dia, quando estão previstas paralisações nas demais bases do Sistema Petrobras.Também nesta quarta serão realizados atos e manifestações em apoio e em solidariedade à luta dos petroleiros contra a política de preços imposta pelo presidente da Petrobras, Pedro Parente, que provocou uma escalada de aumentos abusivos no gás de cozinha e nos combustíveis. Em São Paulo, as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo convocam manifestação na Avenida Paulista, a partir das 18h.

"Nossa greve é contra o processo de privatização da Petrobras que leva nossa refinarias a trabalhar com apenas 70% de sua capacidade, faz com que o Brasil importe derivados de petróleo e faz ainda o brasileiro pagar pelo combustível e gás de cozinha com base no mercado internacional."

CUT Aracaju
Aracaju

CUT Araucária
Araucária (PR)

CUT Refap
Rio Grande do Sul

FUP regap
Minas Gerais