Você está aqui: Página Inicial / Jornais / Limeira / Jornal Brasil Atual – Limeira, 8° edição
Limeira

Jornal Brasil Atual – Limeira, 8° edição

Confira na edição 8 - Rodeio: Uma baita festa/Bancos: O ataque aos caixas/Direitos da mulher: Tortura nunca mais/Futebol: Limeira está na Espanha.
por Jornal Brasil Atual publicado , última modificação 20/08/2011 17h30
Confira na edição 8 - Rodeio: Uma baita festa/Bancos: O ataque aos caixas/Direitos da mulher: Tortura nunca mais/Futebol: Limeira está na Espanha.

Limeira organiza pela 27ª vez consecutiva um espetáculo que mescla diversão, shows e dor (Foto: Divulgação)

A festa é uma festa. Vem gente de todo lugar, da cidade, do campo, de arrabaldes vizinhos. É transmitida pelo rádio, pela televisão, podemos acessá-la na internet, são múltiplas as formas de possuí-la, de senti-la, de vê-la. Afora isso, ainda traz uma baita grana para a cidade, que se arma com o que há de mais bonito para recebê-la. Há cor, muita cor. Há luz, muita luz. Há gritos, muitos gritos. E música, muita música. Ela nos passa a sensação de que a festa é sempre uma festa, que nada há que possa empanar um brilho tão luzidio. Até mesmo os animais – que saem do brete elétricos – parecem divertir-se corcoveando sem parar, dando saltos incríveis e tentando a todo custo jogar o peão na terra, para gáudio e prazer de todos nós. Mas nem tudo é assim, embora pareça.


Os animais são submetidos a sessões de tortura, sofrem maus-tratos e só ficam de pé sabe-se lá como. Tem muita gente se mobilizando contra essa maldade. O jornal Brasil Atual mostra, nesta edição, como acontece essa crueldade, ao mesmo tempo em que nos é impingido um show que tem suas raízes no mesmo país que, também dualmente, transpira democracia e exala bomba atômica. Vale a pena a gente pensar nisso. Assim como pensamos na violência contra a mulher – capítulo infeliz da história de tantas uniões domésticas brasileiras – e buscamos estirpá-la. Da mesma forma como nos indignamos diante de um crime bárbaro, como o ocorrido na fábrica de jóias Millon, que foi precedido de um macabro ritual de insensatez do patrão. Que a luta pela dignidade sempre valha a pena. Isso é o que almejamos. Boa leitura!

 

 Confira o jornal em PDF.