Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2012 / 10 / Reativação de ramal ferroviário vai ligar Montevidéu a São Paulo, anuncia chanceler uruguaio

Reativação de ramal ferroviário vai ligar Montevidéu a São Paulo, anuncia chanceler uruguaio

por Vladimir Platonow, da Agência Brasil publicado 06/10/2012 07h43, última modificação 06/10/2012 07h43

Rio de Janeiro – O comércio bilateral do Brasil com o Uruguai deverá receber um importante estímulo até o fim deste ano. A reativação da ligação ferroviária entre os dois países permitirá que produtos sejam transportados por longas distâncias, desde a capital Montevidéu até o estado de São Paulo, com menor valor de frete. O assunto esteve na pauta da reunião ontem (5), no Rio de Janeiro, entre os ministros das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, e do Uruguai, Luis Almagro.

Eles detalharam o mecanismo denominado Novo Paradigma Brasil-Uruguai, que reúne uma série de medidas, nos campos da economia, da ciência, da tecnologia, das comunicações, da movimentação de pessoas e dos transportes. O Brasil é o principal parceiro econômico do Uruguai, com um comércio de US$ 3,9 bilhões em 2011. Até setembro deste ano ele já atingiu US$ 2,88 bilhões.

O Uruguai praticamente concluiu a reativação de 377 quilômetros de sua malha ferroviária desde o município de Pintado, no centro do país, até a cidade de Rivera, vizinha de Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, onde a recuperação do ramal Livramento-Cacequi está em fase de finalização. Ele terá ligação com a capital Porto Alegre e os demais estados brasileiros, principalmente São Paulo, onde se concentra a maior parte da produção industrial do país.

“Terminamos as obras de reativação da primeira etapa no ramal Pintado-Rivera. E estão finalizando agora a recuperação do ramal Livramento-Cacequi. Os prazos de conclusão foram modificados. Inicialmente estavam previstos para 15 de setembro. Agora esperamos que ocorra até o final de 2012”, disse Almagro, durante coletiva de imprensa, ao lado do colega brasileiro.

Segundo o chanceler uruguaio, as bitolas [largura dos trilhos] são diferentes, mas existem soluções técnicas que permitem a conexão. Parte da extensão será operada pela iniciativa privada e também haverá investimento público para reabilitar o restante da linha, que tem por principal objetivo o transporte de cargas.

O ministro Antonio Patriota ressaltou o momento positivo da economia uruguaia, que vem crescendo a taxas expressivas nos últimos anos. “A economia uruguaia cresce a taxas elevadas faz dez anos. Queremos estabelecer um processo mais profundo de aproximação e integração. As diferentes áreas prioritárias são: integração produtiva; ciência, tecnologia e inovação, comunicação e informação, integração da infraestrutura de transportes, livre circulação de bens e serviços e livre circulação de pessoas”, disse.