Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2009 / 10 / Paulo Bernardo prevê crescimento de 5% para 2010

Paulo Bernardo prevê crescimento de 5% para 2010

por Luciana Lima publicado 21/10/2009 19h29, última modificação 21/10/2009 19h29

Brasília - O ministro do Planejamento, Paulo Bernado, prevê um crescimento da economia de 5% para o próximo ano. Ao participar nesta quarta-feira (21) de audiência da Comissão Mista de Orçamento, o ministro considerou que o índice não é polêmico diante de projeções mais otimistas que estão sendo feitas pelo mercado.

“Nós colocamos uma previsão de crescimento de 4,5% e já vi gente falando em até 6%. Nós temos um prazo até o final de novembro para definir isso e devemos fazer uma revisão dos parâmetros. Particularmente, teremos um índice acima de 4,5%. Não teria dificuldade de colocar um índice de 5%. Acho que esse índice, hoje, seria razoável e nem um pouco polêmico diante das estimativas que tenho visto”, disse o ministro.

Paulo Bernardo disse, ainda, que o governo está convencido de que o pior da crise já passou e que o fator principal para que a crise no Brasil não produzisse efeitos tão negativos foi o mercado interno.

“Estamos convencidos de que o Brasil evitou o pior nessa crise não só pelas medidas tomadas pelo governo como a oferta de crédito e a redução de impostos. Mas o mercado interno foi absolutamente decisivo para que a gente não tivesse um efeito muito negativo. O Brasil entrou mais atrasado na crise e vamos ganhar posições por conta do mercado interno, que continua mais aquecido. Alguns segmentos mantiveram o poder aquisitivo”, afirmou.

Ele também se colocou contrário à redução da meta de superavit primário para o próximo ano defendida pelo relator da proposta orçamentária, deputado Geraldo Magela (PT-DF). “Nossa posição é diferente porque acreditamos que estamos em uma trajetória de crescimento perfeitamente compatível com a manutenção da meta de 3,3% do PIB [Produto Interno Bruto]”, destacou. Magela defende que o percentual a ser economizado pelo governo no próximo ano fique em 2%. O superavit primário é a economia que o governo faz para pagar os juros da dívida.

O salário mínimo previsto pelo governo para o próximo ano será de R$ 505,90 a serem pagos a partir de janeiro. De acordo com o ministro, esse valor vai produzir um impacto de R$ 8,2 bilhões sobre as contas da Previdência Social.

Fonte: Agência Brasil

 

registrado em: ,