Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 04 / Projeto de Alckmin quer redirecionar verbas do Metrô para linha que será privatizada

Atraso

Projeto de Alckmin quer redirecionar verbas do Metrô para linha que será privatizada

Assembleia Legislativa deve votar remanejamento de R$ 200 milhões da Linha 6 para a 5. “Com essas transferências, o governo tem mostrado uma total falta de planejamento", diz deputado da oposição
por Gabriel Valery, da RBA publicado 20/04/2017 17h01, última modificação 20/04/2017 17h05
Assembleia Legislativa deve votar remanejamento de R$ 200 milhões da Linha 6 para a 5. “Com essas transferências, o governo tem mostrado uma total falta de planejamento", diz deputado da oposição
reprodução/ebc
metro.jpg

Projeto do governo congela por tempo indeterminado as obras da Linha 6 – Laranja

São Paulo – A Assembleia Legislativa de São Paulo deve votar na próxima semana um projeto de lei (PL 79/2017), que redireciona verbas da Linha 6 do Metrô para a Linha 5. De autoria do governo Geraldo Alckmin (PSDB), o texto já foi aprovado nas comissões de Finanças, Orçamento e Planejamento e de Fiscalização e Controle. “Um dos motivos pela aceleração das obras da linha específica é porque o governo colocou esta linha em processo de privatização, que deve ocorrer até julho deste ano”, afirma em nota a liderança do PT na Casa.

O líder da bancada petista, deputado Alencar Santana, critica o projeto e afirma que a oposição deve tentar obstruir a votação em Plenário para ampliar o debate. “Com essas transferências, o governo tem mostrado uma total falta de planejamento. A tentativa é de aprovar o PL sem um debate. Não estão claras as razões. Ao mesmo tempo, nas obras da Linha 5, têm empresas envolvidas em escândalos de corrupção, entre elas a Odebrecht. Precisamos entender o plano do governo e eles não podem prometer a cada ano um projeto diferente.”

A Linha 5 – Lilás começou a ser construída em 1998, sendo entregue o trecho inicial, com 8,4 quilômetros, em outubro de 2002. Desde então, só houve acréscimo de 1,5 quilômetro, além de uma estação, a Adolfo Pinheiro. Desde o início das obras, o governo do estado está nas mãos do PSDB. Alckmin ocupou o cargo em quatro mandatos diferentes desde então. “A população da zona sul da capital aguarda há muito tempo pelo término das obras, demandando a extensão da linha até o Jardim Ângela”, continua.

O projeto da Linha 5 sofreu alterações ao longo do tempo desde sua concepção. O próximo trecho a ser entregue deve interligar o trajeto com a Linha 3 – Verde, na estação Chácara Klabin, passando pelos arredores do Aeroporto de Congonhas. A previsão do governo era de concluir tal trecho em 2013, mas o prazo foi estendido em mais de uma oportunidade, e o atual cronograma indica o segundo semestre de 2017 para o término das obras.

A promessa do governo é entregar 10 estações até o final do ano, o que congela por tempo indeterminado as obras da Linha 6 – Laranja. “Face ao adiantado estágio de execução das obras da Linha 5 e a paralisação das obras na Linha 6, optou-se pelo referido remanejamento de recursos, de forma a garantir a conclusão do projeto em 2017”, afirmou o secretário da Fazenda, Hélcio Tokeshi. Alckmin tem pretensões de ser o candidato de seu partido à Presidência da República em 2018.

O trecho inicial da Linha 6, que fica sem prazo de entrega, deve ligar a estação São Joaquim, da Linha 1 – Azul, na região central, ao bairro da Brasilândia, no norte da capital. Diferentemente da linha que ganha prioridade com o PL, as obras deste trecho estão em fase inicial, sendo que sua conclusão está prevista para maio de 2021, após seguidos adiamentos. Inicialmente, o prazo previsto para o fim das obras era 2012. Uma série de desapropriações foi promovida pelo governo desde então.