Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2010 / 03 / Mulheres da Via Campesina protestam contra a violência e o agronegócio

Mulheres da Via Campesina protestam contra a violência e o agronegócio

por Lúcia Nórcio publicado 08/03/2010 14h00, última modificação 08/03/2010 14h01

Curitiba - Cerca de mil mulheres, integrantes da Via Campesina, de várias regiões do Paraná, ocuparam nesta seguda-feira (8) a Usina Central do estado, em Porecatu. De acordo com a organizadora do movimento, Izabel Grein, o protesto faz parte da mobilização nacional contra a violência e o agronegócio e em defesa da reforma agrária.

“Nosso lema é 'Mulheres Camponesas em Luta Contra o Agronegócio, pela Reforma Agrária e Soberania Alimentar' e hoje estamos protestando contra a monocultura da cana, que no Paraná ainda se utiliza do trabalho escravo”, disse ela.

As mulheres permaneceram na usina até as 10h, saindo depois em passeata pelas ruas do município. O movimento lembra que em 2008, 228 trabalhadores foram encontrados em situação degradante, semelhante ao trabalho escravo, em fazendas que atendem a usina. Segundo Grein, em três fazendas da região – Variante, Santa Maria e Marrecas - foram encontrados trabalhadores nessa situação. “São áreas ocupadas, que aguardam a desapropriação do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), mas a maior parte das áreas em torno da usina apresenta problemas. No ano passado, o instituto considerou improdutiva uma área de 20 mil hectares e até agora não saiu a documentação”.

As campesinas alertam a população para o fato de que “a expansão da cana-de-açúcar no Paraná, nas regiões norte, noroeste e norte pioneiro, tem gerado sérias consequência, como destruição ambiental, expulsão de trabalhadores do campo, violações dos direitos trabalhistas e trabalho escravo”.

Outra reivindicação do movimento é o assentamento de 6 mil famílias que estão nos acampamentos do estado.

No fim da tarde, as mulheres promovem ato de solidariedade doando alimentos da reforma agrária aos cortadores de cana na praça central do município vizinho, Florestópolis.  Os alimentos serão distribuídos nos bairros pobres onde vivem trabalhadores do corte da cana, que, segundo o movimento, na semana anterior estavam em greve, reivindicando salários atrasados.

Fonte: Agência Brasil