Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Na Rede / 2018 / 04 / Sérgio Moro e Obdulio Varela: o que diferencia um inimigo de um adversário

Sobre ódios

Sérgio Moro e Obdulio Varela: o que diferencia um inimigo de um adversário

"Como eu fiz isso com essa gente tão boa?", disse certa vez um homem de origem humilde, protagonista de uma antiga tragédia nacional, com a honra e a dignidade ausentes nos carrascos de hoje
por Glauco Faria, da RBA publicado 09/04/2018 09h50, última modificação 09/04/2018 16h51
"Como eu fiz isso com essa gente tão boa?", disse certa vez um homem de origem humilde, protagonista de uma antiga tragédia nacional, com a honra e a dignidade ausentes nos carrascos de hoje
Arquivo Nacional/Francisco Proner Ramos
sergio moro e obdulio varela

Entre o silêncio digno do Brasil de 1950 e o ruído indignado de 2018, a diferença está no caráter dos homens

Uma das grandes satisfações da vida de jornalista é poder entrevistar pessoas que admira antes mesmo de decidir seguir uma profissão. Pude viver essa sensação quando entrevistei para a revista Fórum, junto com o jornalista e amigo Nicolau Soares, o escritor uruguaio Eduardo Galeano na hoje emblemática Curitiba, em 2004, durante a realização do 1° Festival Latino-Americano de Música Camponesa.

Àquela altura, Roberto Requião era governador do Paraná e o Uruguai comemorava uma vitória da esquerda, com Tabaré Vázquez, definida como um "milagre" pelo escritor. Galeano falou sobre ídolos, afirmando que não idolatrava ninguém, mas que havia uma pessoa que quase chegava a esse patamar. "O mais próximo que tenho de um ídolo é um jogador de futebol, um cara que me acompanha quando escrevo, já que tenho um pôster dele no meu escritório. Era um inimigo, pois jogou no Peñarol e sou torcedor do Nacional. Fui conquistado por ele, pelo que fazia e por sua personalidade."

Trata-se de Obdulio Varela, "el Jefe Negro", capitão da seleção do Uruguai na Copa de 1950 e um dos principais protagonistas daquilo que foi considerado a maior tragédia esportiva na História, quando a equipe uruguaia – "contra todas as possibilidades", como lembrou o escritor – bateu o Brasil, de virada, na final realizada no Maracanã. Enquanto os atletas "foram festejar essa impossibilidade", Obdulio fugiu do hotel e foi beber em um boteco do Rio.

"Ele me disse que o que havia nas arquibancadas era uma besta, um monstro de 200 mil cabeças. ‘Eu os odiava’, contou. Depois, tomou uma, duas, três cervejas e via as pessoas, uma a uma, tristes, chorando. E pensou: ‘Como eu fiz isso com essa gente tão boa?’ E todos atribuíam a vitória a ele, ‘foi o Obdulio’, diziam. Por isso o admiro, ele não se acusou, não comemorou e passou a noite inteira abraçado aos vencidos."

Obdulio era diferente. Mas, em certa medida, tinha uma história comum a muitos que nasceram no mesmo continente. Filho de uma lavadeira e de um vendedor, nascido na periferia de Montevidéu, foi engraxate, peão de obra, vendedor de jornais. Destes, dizia que a única verdade que existia eram a data e o preço. Neste depoimento, conta que se "tivesse que jogar outra vez essa final, faria um gol contra". "A única coisa que conseguimos ao ganhar esse título foi dar brilho aos dirigentes da Associação Uruguaia de Futebol. Eles se deram medalhas de ouro e aos jogadores deram umas de prata." Era alguém que sabia de onde vinha, o que representava e a quem determinados títulos serviam.

O capitão uruguaio não sucumbiu ao pecado condenado no livro bíblico do Eclesiastes, que talvez Dallagnol tenha pulado: a vaidade. Ao contrário, durante a maior parte da sua vida se afastou da mídia, celebrando de tempos em tempos aquela conquista junto apenas de seus companheiros.

Naquele instante em que você tem alguma esperança (por que não? Num momento de inexplicável de delírio, talvez pela ocasião de uma tragédia histórica), vindo não sei de onde, imaginei Sérgio Moro como Obdulio Varela. Pensei nele visualizando a cena já antológica de Lula nos ombros da multidão, passando por ela, que não o queria deixar ir embora. Também viriam à sua cabeça as milhares de pessoas que o encontraram em suas caravanas pelo Brasil, muitas delas com uma história para contar que combinava a superação pessoal com a oportunidade criada por políticas públicas elaboradas e implementadas pelo seu governo.

No meu devaneio, Moro veria essas cenas ao mesmo tempo em que iria mirar Lula chegando a um cárcere injusto e pensaria tal como Obdulio: "Como eu fiz isso com essa gente tão boa?". E após essa reflexão cairia em si.

Esse não seria o principal motivador para que o magistrado voltasse atrás. Se Lula fosse promotor de conquistas sociais como presidente, mas alguém que cometeu crimes, infringindo a lei brasileira, mereceria ser punido como qualquer cidadão. Mas não é esse o caso. E não sou eu quem diz isso.

Só em um livro, são 122 autores, juristas e acadêmicos, além de inúmeros outros que apontaram uma série de ilegalidades flagrantes e pontos questionáveis sob uma ótica técnica. São itens que vão desde a competência, ou seja, o caso do tríplex ser julgado no foro de Curitiba, até declarações impróprias do presidente do tribunal da segunda instância que avalia a sentença como "tecnicamente perfeita" sem ter lido. Uma coleção de desvios que não foram rebatidos – embora os desembargadores tenham até tentado em seus votos, outra estranheza nesse processo – mesmo por apoiadores do juiz curitibano.

Moro não deveria, nesse caso, rever sua sentença porque Lula tem apoio popular. Mas sim porque o processo é eivado de ilegalidades.

Tomado pelo espírito de Obdulio, o magistrado veria não apenas a injustiça em si, mas as consequências da decisão. Como ela vai muito além da figura de Lula e atinge a democracia, o Estado de direito, e elimina a perspectiva de futuro para milhões de brasileiros. Para muitos, como mostra o cenário atual, retira direitos e o próprio chão.