Sem conversa

Demissões na GM passam de mil, estimam sindicatos. Trabalhadores protestam

Montadora demitiu por telegrama e, até agora, não abriu negociação

Sind. Met. SJC
Sind. Met. SJC
Protesto em São José dos Campos: trabalhadores demitidos penduram camisas e lamentam postura da empresa

São Paulo – No terceiro dia de greve em três fábricas da General Motors, a montadora ainda não se manifestou sobre o número de trabalhadores demitidos. Mas estimativas dos sindicalistas dão conta de pelo menos 1,2 mil demissões na GM. Seriam 800 na unidade de São José dos Campos, no interior paulista, 300 em São Caetano do Sul, na região do ABC, e 100 em Mogi das Cruzes. Isso corresponde a aproximadamente 10% da mão de obra, já que essas unidades somam 11,5 mil funcionários.

Por volta de 17h desta quarta-feira (25), sindicalistas iniciaram reunião com o secretário estadual da Fazenda e Planejamento, Samuel Kinoshita, na região central de São Paulo. Ontem, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, determinou à Superintendência Regional que marque uma reunião de conciliação. “Inaceitável que a empresa tenha tomado essa medida sem dialogar com os trabalhadores e as trabalhadoras e, para piorar, mande um telegrama em pleno final de semana comunicando dessa absurda decisão”, criticou.

Hoje, em São Paulo, metalúrgicos demitidos realizaram ato de protesto diante da fábrica. Vários deles penduraram os uniformes com mensagens nos alambrados da unidade. Alguns pediam o emprego de volta ou se queixavam da desconsideração da GM após anos de serviços prestados. Amanhã pela manhã, haverá manifestação na cidade.

Lucro cresce em 2023

A montadora enfrenta greve há mais de um mês nos Estados Unidos, onde os metalúrgicos negociam aumento salarial. Em balanço divulgado ontem, a GM reportou lucro de US$ 3,064 bilhões no terceiro trimestre, queda de 7,3% em relação a igual período de 2022. Mas no acumulado do ano, o lucro soma US$ 8,026 bilhões, aumento de 1,1%.

De acordo com os dados da própria empresa, no Brasil foram vendidas 236 mil unidades de janeiro a setembro, ante 203 mil no ano passado, 16,3% a mais. A GM justifica as demissões, realizadas a partir do sábado, falando em quedas nas vendas e exportações.



Leia também


Últimas notícias