Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2009 / 06 / Pesquisadores paulistas isolam e identificam vírus da gripe suína

Pesquisadores paulistas isolam e identificam vírus da gripe suína

Descoberta do Instituto Adolfo Lutz é importante porque pode contribuir para a criação de uma vacina, que ainda exige mais estudos
por Ivy Farias publicado , última modificação 16/06/2009 16h35
Descoberta do Instituto Adolfo Lutz é importante porque pode contribuir para a criação de uma vacina, que ainda exige mais estudos

São Paulo - O Instituto Adolfo Lutz anunciou nesta terça-feira que isolou e sequenciou o vírus H1N1, também conhecido como gripe suína. Segundo a coordenadora de Controle de Doença da Secretaria do Estado de São Paulo, Clelia Aranda, a descoberta é importante para monitorar o comportamento do vírus e contribuir para a criação de uma vacina.

"Esse vírus tem uma alta capacidade de mutação e é um pouco diferente do que foi identificado na Califórnia, nos Estados Unidos. Mas, mesmo com todas as mudanças, a matriz é a mesma e uma vacina seria eficaz para qualquer tipo de vírus, seja no Brasil ou em outro país", disse Clelia.

Ela explicou que o vírus A, além de mutante, também é imprevisível. "Não sabemos como será o vírus amanhã", completou. Graças à identificação feita pelo Instituto Adolfo Lutz, a comparação entre os diferentes tipos de vírus A deve ajudar no desenvolvimento de uma vacina.

"Ainda são necessários mais estudos para selecionar e escolher as melhores matrizes para fazer a vacina", ressaltou. Se a mudança ocorresse na matriz do vírus – o que não foi o caso –, a vacina para gripe anunciada por um laboratório suíço  e outras que estão em processo de estudos seriam menos eficazes.

A mutação do vírus da gripe suína encontra-se na proteína da hemaglutina. Os resultados anunciados pelo instituto são importantes porque permitem comparar um vírus com o outro.

Segundo a diretora de laboratórios regionais do Adolfo Lutz, Regina Gomes de Almeida, todos os países estão trabalhando em conjunto. "Há uma cooperação internacional para chegar a um acordo comum sobre essa pandemia", garantiu.

Cerca de 20 pesquisadores do Lutz identificaram o vírus e conseguiram fazer uma imagem dele graças a uma máquina que ampliou 200 mil vezes seu tamanho. O vírus foi isolado e depois inserido em células durante cerca de 20 dias para esperar a adaptação e o crescimento. O vírus foi retirado do primeiro paciente que teve seu caso de gripe suína confirmado, em abril.

Clelia Aranda explicou ainda que os três centros de nacionais – o Adolfo Lutz, a Fundação Fiocruz e o Instituto Evando Chagas – estão empenhados em pesquisar as modalidades do vírus influenza. "Usamos toda a estrutura do Lutz, tivemos que esperar apenas pela chegada de reagentes importados para começar o trabalho", enfatizou. "O Brasil pode e irá contribuir muito com a vacina", complementou.

Fonte: Agência Brasil 

 

registrado em: ,