Home Política Intelectuais, artistas e líderes populares lançam manifesto pela democracia
Resistência

Intelectuais, artistas e líderes populares lançam manifesto pela democracia

Documento, que está disponível para adesões, será lançado em ato no dia 13 de dezembro, quando se completam 50 anos da edição do Ato Institucional nº 5
Publicado por Redação RBA
14:56
Compartilhar:   
Memorial da Democracia
ditadura

Manifesto em defesa da democracia nos 50 anos do AI-5 é um protesto contra um regime de terror

São Paulo – Divulgado há dois dias, o Manifesto Em Defesa da Democracia já conta com mais de mil adesões de intelectuais, artistas, lideranças populares, empresários e profissionais de diferentes áreas. O documento será lançado em 13 de dezembro, quando se completam 50 anos da edição do Ato Institucional nº 5. O ato público ocorrerá às 19h na Faculdade de Direito da USP, no largo São Francisco, em São Paulo.

O AI-5, lembra o manifesto, foi um decreto ditatorial que “marcou o estabelecimento de um regime de terror de Estado”. Daí “a importância da manutenção dos princípios consagrados na Constituição de 1988: a República, a Democracia e o Estado de Direito”, ressalta.

A força da pluralidade também é destacada pelo manifesto: “A garantia das liberdades, dos direitos humanos individuais e sociais, do livre exercício da cidadania nos une, para além de eventuais diferenças e nuances ideológicas ou político-partidárias”.

Assinam o documento ministros de todos os governos democráticos, de Sarney a Dilma, ao lado de líderes religiosos, cientistas, juristas, advogados, poetas, ativistas do movimento negro, dos direitos humanos, dos LGBTs, escritores, economistas, feministas, cineastas, sindicalistas, músicos, artistas, arquitetos, jornalistas, sociólogos, ambientalistas, médicos, engenheiros, antropólogos,  filósofos, historiadores, psicanalistas, empresários, estudantes, professores, fotógrafos, diplomatas, cidadãos e cidadãs brasileiras.

Entre as mais de 500 assinaturas iniciais estão personalidades como: Luiz Carlos Bresser-Pereira, Celso Amorim, Fábio Konder Comparato, Maria Victoria Benevides, Rubens Ricupero, José Gregori, Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, José Carlos Dias, Sueli Carneiro, Gilberto Gil, Raduan Nassar, Margarida Genevois, Laerte, Nelson Freire, Sebastião Salgado, Miguel Nicolelis, Sônia Braga, Fernão Bracher, Walter Casagrande Jr., Marcelo Rubens Paiva, João Pedro Stedile, Maria Rita Kehl, João Sayad, Vagner Freitas, Rogério Cezar de Cerqueira Leite, Miguel Torres, Milton Hatoum, Ivo Herzog, Nuno Ramos, Wagner Moura, Floriano de Azevedo Marques Neto, Dácio Matheus, Paulo Sérgio Pinheiro, Conceição Evaristo, Zé Celso Martinez Correa, Oded Grajew, Marianna Dias, Maria da Conceição Tavares, Natalia Szermeta, Boris Fausto.

Adesões ao documento podem ser feitas aqui.

O manifesto

EM DEFESA DA DEMOCRACIA

Hoje, quando se completam cinquenta anos da edição do AI-5, que marcou o estabelecimento de um regime de terror de Estado, nós, cidadãs e cidadãos brasileiros, reafirmamos a importância da manutenção dos princípios consagrados na Constituição de 1988: a República, a Democracia e o Estado de Direito.

A garantia das liberdades, dos direitos humanos individuais e sociais, do livre exercício da cidadania nos une, para além de eventuais diferenças e nuances ideológicas ou político-partidárias.

Enfatizamos nosso compromisso com a pluralidade e a diversidade cultural, de crenças e de comportamento da sociedade brasileira.

Nesse sentido, conclamamos os democratas a se unirem para manter as liberdades duramente conquistadas ao longo das últimas três décadas.

São Paulo, 13 de dezembro de 2018