pós-vitória

Cobrança sobre Neymar é desumana, critica Tite

Técnico da seleção brasileira afirmou que o Brasil tem uma liderança diluída e elogiou segundo tempo da equipe

LUCAS FIGUEIREDO/CBF
Neymar

Neymar comemora seu gol contra a Costa Rica. Apesar de ter voltado de lesão recentemente atacante segue cobrado

São Paulo – Para o técnico Tite, mesmo tendo marcado um dos gols da vitória da seleção brasileira sobre a Costa Rica, por 2 a 0, nesta sexta-feira (22), a cobrança da torcida e da imprensa sobre o Neymar não é justa. “É desumano colocar a responsabilidade sobre uma pessoa só. Cada um aqui tem a sua responsabilidade para que a individualidade dos outros apareça. O Neymar ficou três meses e meio sem jogar, fez apenas dois jogos completos. É desumano isso”, disse na entrevista coletiva após o jogo que encaminhou a classificação da seleção para a segunda fase da Copa do Mundo.

O autor do primeiro gol, Philippe Coutinho, disse que o time também mostrou controle emocional para a vitória. “Tivemos paciência e fomos premiados com os gols no final. A gente foi mentalmente forte até o fim.” 

O técnico brasileiro elogiou a postura da equipe na segunda etapa, quando “apresentou um grande futebol, finalizando mais e apresentando mais precisão”. Ao todo, foram 22 chutes ao gol costarriquenho, sendo 10 deles no alvo – nove na etapa final.

Tite mostrou discordar de críticas feitas ao estado emocional do time e afirmou que os jogadores mantiveram a calma após o pênalti anulado pelo árbitro de vídeo, em Neymar. O treinador questionou a decisão da arbitragem. “Ele poderia dar ou não. É de interpretação, mas eu assinalaria. Não precisamos de juiz para vencer o jogo, mas queremos que sejam justos. Deveriam ter feito o mesmo na partida passada”, critica ele, ao lembrar da partida de estreia da Seleção na Copa em que a delegação reclamou de uma falta sobre o zagueiro Miranda, que resultou no gol da Suíça, e um pênalti não marcado sobre o atacante Gabriel Jesus.

Sobre quem seria o líder do time em campo – lembrando o meia Zito, capitão dos times campeões mundiais em 1958 e 1962 –, Tite afirmou que sua equipe não tem um único líder, daí a promoção do rodízio de capitães. “Não temos um Zito, mas possuímos vários líderes. Quem lidera a qualidade é Neymar e Coutinho. A competitividade é liderada por Miranda e Casemiro. O líder de criatividade é Marcelo. É uma divisão de responsabilidade, por isso a faixa de capitão não é fixa.”

No final do jogo, em entrevista à Rede Globo, o atacante Douglas Costa, que entrou no segundo tempo e foi um dos destaques da partida – foi dele a assistência para o gol de Neymar – disse que ficou feliz com a chance dada pelo técnico. Ele deu a assistência do segundo gol. “Eu ralei muito para estar na seleção, mas fico contente de entrar nessa maneira. Pude colocar meu nível na Juventus dentro da seleção.”