Tiroteio

Garimpeiros armados chegam de barco e atacam comunidade indígena em Roraima

Funai, Exército e PF não se pronunciaram sobre pedido de segurança por indígenas após ameaça de retorno dos garimpeiros

Reprodução / Divulgação
Mulheres e crianças indígenas foram pegas de surpresa com a chegada dos garimpeiros em sua reserva

Brasil de Fato – Garimpeiros ilegais que ocupavam sete barcos atacaram indígenas da comunidade Palimiu, na Terra Indígena Yanomami, em Roraima, na manhã desta segunda-feira (10). Em vídeo gravado pelos indígenas, é possível ver o exato momento em que as embarcações se aproximam e começam a atirar. 

Mulheres e crianças que estavam sentadas próximas à beira do rio correm desesperadas para dentro da comunidade. Segundo a Hutukara Associação Yanomami (HAY), os indígenas revidaram o ataque e o conflito durou cerca de meia hora.

:: Projeto na Câmara derruba licenciamento ambiental e ameaça recursos naturais ::

Quatro garimpeiros ilegais foram baleados e um indígena foi atingido de raspão.  

Em ofício enviado pela Hutukara à Fundação Nacional do Índio (Funai), à Polícia Federal em Roraima (PF/RR), à 1ª Brigada de Infantaria da Selva do Exército (1ª Bis) e ao Ministério Público Federal em Roraima (MPF-RR), a entidade pede segurança para o local, conhecido como Base dos Americanos, localizado na comunidade Palimiu, na Terra Indígena Yanomami, já que os garimpeiros prometeram voltar ao local em busca de vingança. 

Solicitamos aos órgãos que atuem com urgência para impedir a continuidade da espiral de violência no local e garantir a segurança para a comunidade Yanomami de Palimiu”, dizia o documento assinado por Dário Kopenawa Yanomami, vice-presidente da associação. 

Este não é o primeiro ataque que a comunidade Palimiu sofre de garimpeiros ilegais. A Hutukara havia enviado há poucos dias um ofício sobre um ataque sofrido em 27 de abril. Armados, oito garimpeiros entraram na TI após os indígenas interceptarem uma carga de quase mil litros de combustível. No episódio, não houve feridos.

:: Garimpo ilegal desmatou o equivalente a 500 campos de futebol na TI Yanomami em 2020 ::

“As lideranças estão indignadas com a continuidade da invasão garimpeira em suas terras e com a violência e ameaça praticada pelos invasores. Temendo que novas retaliações por parte dos garimpeiros resultem em mais conflitos violentos e mortes, os indígenas exigem uma resposta dos órgãos públicos para garantir a segurança das comunidades”, cita trecho do ofício da entidade.

Questionado pelo Brasil de Fato sobre a garantia de segurança dos indígenas, o Exército Brasileiro não respondeu. Já a Polícia Federal encaminhou o caso para a assessoria da órgão em Roraima, que também não se pronunciou sobre o caso. A Funai, por sua vez, informou que acompanha o caso junto às forças policiais e que aguarda mais informações, mas que não comenta fatos em apuração.