Sustentabilidade

Virada da Mobilidade discute novas formas de se locomover nas cidades

Programa termina neste fim de semana, após uma série de atividades para incentivar a redução do uso do transporte individual privado, responsável pelos congestionamentos e pela poluição

Karoline Maia/Coletivo Pujança
Virada da Mobilidade

Em São Paulo, vagas de estacionamento deram lugar à prática de yoga, quiropraxia e oficina de brinquedos

São Paulo – A Virada da Mobilidade 2018 termina neste fim de semana com duas atividades principais: “Bike Tour” e “Na Pista Certa”. A primeira oferece seis roteiros pela capital paulista, entre sábado (22) e domingo (23), em diversos horários, gratuitos, com inscrição antecipada. Bicicletas serão emprestadas para os participantes, com equipamentos de segurança e um sistema de áudio-tour acoplado ao capacete, permitindo ouvir informações e curiosidades sobre cada ponto visitado. As rotas são: Centro Novo; Vila Madalena; Faria Lima; Parque Ibirapuera; Avenida Paulista; e Centro Velho.

Já a atividade “Na Pista Certa” é um programa voltado a crianças entre 5 e 10 anos, também gratuito. A atividade, no Museu Catavento, proporciona vivências lúdicas e pedagógicas que incluem ensinamentos de segurança viária e atitudes responsáveis em relação ao trânsito, revelando os diferentes pontos de vista de um motorista, passageiro, pedestre e ciclista, entre outros atores do trânsito. A atividade inclui também uma peça de fantoches que reforça as regras de convivência e de valores como solidariedade, respeito, inclusão e gentileza para a segurança e integridade de todos.

Realizada desde 2012, a Virada da Mobilidade tem o objetivo de sensibilizar o poder público e a população sobre a necessidade de promover novas formas de se locomover nas grandes cidades do país, priorizando o transporte eficiente e sustentável. O evento tem o intuito de incentivar a redução do uso do transporte individual privado, fator responsável não só pelos congestionamentos nas grandes cidades brasileiras, mas também pelo alto índice de poluição que afeta à saúde de milhões de pessoas.

Desde o último dia 17, a programação da Virada incluiu palestras sobre temas como: inteligência e mobilidade urbana; mobilidade ativa e compartilhada; teletrabalho e a jornada flexível, entre outros. A ideia dos organizadores é incentivar a reflexão e a conscientização sobre o modo como cada indivíduo se desloca pela cidade, além de mostrar alternativas de mobilidade urbana que podem ser adotadas pelo poder público, empresas e pessoas em geral, colaborando para a melhoria da qualidade de vida nas grandes cidades.

(Des)Ocupa

Como parte da programação da Virada da Mobilidade, nesta sexta-feira (21), cerca de 200 metros de vagas de estacionamento na Rua Fradique Coutinho, entre as ruas Teodoro Sampaio e Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, zona oeste, foram ocupadas por uma série de atividades educacionais e lúdicas, como ioga, quiropraxia, oficina de silk e de brinquedos, e contação de histórias.  

Batizado de “(Des)Ocupa a Rua”, a ideia foi concebida para mostrar o que o espaço das vagas de automóveis representa e como esse espaço pode beneficiar pessoas em vez de carros.

“Abolir as vagas melhoraria imediatamente o fluxo de quem não opta por usar ou não pode ter carro. Essa mudança no paradigma da mobilidade já começa a aparecer em várias cidades do mundo, inclusive na América Latina”, explica Bruna Galvão, coordenadora de campanhas da Purpose e especialista em mobilidade. “Para os 30% das pessoas que andam de carro pela cidade, a ideia pode parecer desproposital. Mas, para os outros 70% que transitam a pé, de bicicleta ou transporte público, esse tema deve ser tratado como prioridade.” 

Segundo Bruna, a atividade foi um sucesso, atraindo crianças, adultos e idosos, agradando comerciantes e moradores do bairro. Somente a terapeuta de quiropraxia realizou em torno de 70 atendimentos. A ação desocupou vagas de um dos lados da rua, sem interferir no fluxo dos automóveis. “Não vi nenhum motorista reclamando, pelo contrário, muitos pararam para perguntar o que estava acontecendo”, diz ela.  

Organizada pelo instituto Purpose, em parceria com ITDP Brasil e Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), foi a primeira vez que o “(Des)Ocupa a Rua” foi realizado em São Paulo.