Home Cidadania Feministas da América Latina se unem no RJ contra avanço do conservadorismo
Sororidade

Feministas da América Latina se unem no RJ contra avanço do conservadorismo

Evento em praça pública discute a importância do intercâmbio de experiências entre os movimentos de mulheres do continente
Publicado por Redação RBA
15:56
Compartilhar:   
Reprodução/TVT
mulheres feministas

Levar a discussão do direito das mulheres para ruas e praças é uma das formas de resistência contra o conservadorismo

São Paulo – Ativistas feministas da América Latina se reuniram na noite de terça-feira (29) no Rio de Janeiro para debater o avanço do conservadorismo no continente e trocar experiências de resistência. O evento foi realizado na Praça São Salvador, em Laranjeiras, zona sul da capital fluminense.

Do Uruguai, a integrante da Articulação Feminista Mercosul (AFM) Lucy Garrido, destacou a campanha Tua Boca é Fundamental Contra os Fundamentalismos. Para ela, o que há de mais fundamental são as pessoas.

Quem tem que suportar o peso maior sobre suas famílias, na economia de suas casas, que são as perseguidas em todos os seus direitos, são elas, as mulheres. A quem dizem que não podem reproduzir-se ou que, sim, devem reproduzir-se? A nós, mulheres. Quem paga a pior parte, afinal, somos sempre nós”, afirmou à repórter Viviane Nascimento, para o Seu Jornal, da TVT.

A coordenadora do do movimento Mulheres Afroperuanas Feministas, Rocío Muñoz Flores, ressaltou a importância da luta contra o preconceito racial: “Espero e aposto que seja uma luta antirracista, por uma sociedade que garanta e respeite o direito de todas as mulheres. Para que nós possamos viver em uma sociedade sem racismo, sem discriminação, é fundamental que continuemos pressionando e debatendo dentro do movimento feminista”, afirmou.

A especialista em questões de gênero da Universidade de Córdoba (ARG) Ana Falu disse que, em comparação com o Brasil, a Argentina não sofreu um golpe de Estado, mas também tem hoje um governo conservador. Ela afirmou que o debate sobre a descriminalização do aborto, marcado para ocorrer no Congresso do seu país, a partir de 13 de junho, ainda enfrenta muita resistência. 

O evento Resistências Feministas na América Latina contou também com a presença da viúva da vereadora assassinada Marielle Franco, Monica Benício, que destacou a solidariedade entre as mulheres como forma de resistência. “A gente só vai conseguir modificar essa sociedade se a gente fizer isso de mãos dadas, de forma horizontal, sem hierarquia. Uma mulher que sobe puxa a outra, e a gente vai fazer isso com muita sororidade (união e aliança entre as mulheres), com muita empatia”, disse ela.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT