Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2012 / 02 / Marcha contra o racismo reúne 27 organizações no centro de São Paulo

Marcha contra o racismo reúne 27 organizações no centro de São Paulo

por Daniel Mello publicado 11/02/2012 20h24, última modificação 11/02/2012 20h26

São Paulo – Integrantes de organizações de combate ao racismo promoveram neste sábado (11) um ato político em frente ao metrô Santa Cecília, no centro de São Paulo, e seguiram em passeata até o bairro de Higienópolis. O protesto foi organizado pelo Comitê contra o Genocídio da Juventude Negra, que reúne 27 organizações. Fazem parte do comitê movimentos ligados ao combate ao racismo, à homofobia e ao machismo.

O coordenador do Movimento Novo Quilombo, Raça e Classe, Wilson Honório da Silva, informou que a manifestação faz parte de uma mobilização contínua para combater a discriminação no país. “Nós estamos aqui para dizer que o racismo está em todos os lugares, mas nós também estamos em todos os lugares. Nós somos a maioria da população”, disse.

A coordenadora do Núcleo de Consciência Negra na Universidade de São Paulo (USP), Haydee Fiorino, lembrou que para as mulheres o peso da discriminação é ainda maior. “As mulheres negras se encontram sempre em trabalhos subalternos, sem nenhum direito trabalhista. Ou então são vistas como a mulher do Carnaval, a mulata libidinosa, que só ganha visibilidade no Carnaval e depois volta para o seu lugar, limpando o chão”, acrescentou.

Para colocar o combate ao preconceito na agenda da universidade e do movimento estudantil, o núcleo quer firmar um convênio com a USP, regularizando o espaço que o coletivo ocupa na instituição. Haydee destacou que o  Núcleo de Consciência Negra existe há 24 anos na universidade e realiza atividades culturais, grupos de estudo e palestras.

Para Mariana Queen, também coordenadora do núcleo, a pequena quantidade de alunos negros na USP acaba constrangendo os que conseguem entrar na instituição. “Como mulher negra, sofro opressão cotidianamente. Como estudante negra na USP, sendo uma das poucas da universidade e a única da minha sala, também me sinto oprimida”, declarou a estudante de jornalismo, que defende as cotas raciais no vestibular.

Fonte: Agência Brasil

registrado em: , ,