Home Ambiente Na Espanha, manifestantes chamam Bolsonaro de ‘criminoso ambiental’
Amazônia em chamas

Na Espanha, manifestantes chamam Bolsonaro de ‘criminoso ambiental’

Atos foram realizados em diversas cidades europeias um dia após o presidente da França, Emmanuel Macron, chamar de crise internacional as queimadas sem controle na floresta
Publicado por Cida de Oliveira, da RBA
16:39
Compartilhar:   
Extinction Rebellion Spain

Para manifestantes de Barcelona, Bolsonaro é "criminoso ambiental"

São Paulo – Um dia após o presidente francês Emmanuel Macron chamar de “crise internacional” a onda de incêndios que consome a Amazônia diante da inação do governo de Jair Bolsonaro, ruas e praças de diversas cidades da Europa amanheceram tomadas por manifestantes.

Diante da Embaixada brasileira na Espanha, pelo menos duas centenas de ativistas estiveram reunidas para pedir a “demissão” de Bolsonaro, cobrar mais ação no combate aos incêndios e reiterar a importância da Floresta Amazônica para diversos ecossistemas.

“Pedimos que o governo do Brasil tome medidas para apagar o incêndio, que já dura mais de duas semanas”, disse “a Agência EFE o ativista Alejandro Martínez, que integra a FridaysForFuture (FFF), rede internacional criada pela estudante e ambientalista sueca Greta Thunberg. A FFF ajudou a organizar atos em diversas cidades além de Madrid, Málaga, Lugo, Sevilla, Valência, Salamanca e Zaragoza.

Em Barcelona, em meio a centenas de pessoas, um manifestante levou um cartaz com os dizeres, em inglês, “Bolsonaro criminoso ambiental”. Uma imensa faixa, simbolizando as águas, abriu a passeata em que as pessoas empunhavam grandes folhas, lembrando as árvores da maior floresta tropical do mundo e seu papel fundamental no equilíbrio ecológico do planeta.

As embaixadas do Brasil em Londres, Paris, Berlim, Zurique e o consulado em Genebra também foram palco de protestos.

Ontem (22), o presidente da França propôs que os incêndios sejam discutidos neste final de semana, durante reunião do G7, formado pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. A questão, que preocupa autoridades, ambientalistas e a população em geral em todo o mundo, já é motivo de boicotes e pressões por parte da Finlândia, Alemanha e Irlanda.

Confira a galeria de fotos: