situação difícil

Ministro do STF bloqueia recursos de Juscelino Filho, que balança e pode cair

Polícia Federal deflagrou nesta sexta a Operação Benesse, para investigar suspeita de corrupção do ministro, e sua irmã foi afastada da prefeitura de Vitorino Freire, no Maranhão

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência Brasil
Ministro Luís Roberto Barroso bloqueou R$ 835 mil das contas do ministro Juscelino Filho, das Comunicações

São Paulo – O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio de recursos do ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil-MA), no contexto de investigações sobre o desvio de verbas envolvendo a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Foram bloqueados R$ 835 mil. A situação de Juscelino é delicada e ele pode cair.

A Polícia Federal (PF) havia iniciado pela manhã a Operação Benesse, sobre suspeitas de desvio de emendas parlamentares, por meio da estatal, destinadas à prefeitura de Vitorino Freire (MA). A irmã do ministro, Luanna Rezende (União Brasil), é prefeita da cidade e também é um dos alvos da operação. Luanna foi afastada do cargo por uma medida cautelar em decorrência da ação da PF.

As investigações apuram corrupção supostamente cometida quando Juscelino exercia o mandato de deputado federal. Os agentes cumpriram 12 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo STF nas cidades maranhenses de São Luís (capital), Vitorino Freire e Bacabal.

A PF diz que a operação tem a “finalidade de desarticular organização criminosa estruturada para promover fraudes licitatórias, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, envolvendo verbas federais da Codevasf”.

O que diz a defesa de Juscelino

Segundo a defesa do ministro, ele tem tido uma atuação “pautada pelo interesse público e atendimento da população”. Diz ainda que o inquérito em andamento “servirá justamente para esclarecer os fatos e demonstrar que não houve qualquer irregularidade”.

Os advogados destacam ainda que “emendas parlamentares são instrumentos legítimos e democráticos do Congresso Nacional e Juscelino Filho segue à disposição, como sempre esteve, para prestar esclarecimentos às autoridades”.

Nomeação foi considerada um erro

A nomeação de Juscelino por Lula ao poderoso Ministério das Comunicações foi mal recebida por aliados e apoiadores do presidente desde o início. Além de sua completa falta de familiaridade com assuntos relacionados à pasta, ele já era suspeito de direcionar verbas de emendas parlamentares a terras da família.

O ministro também nomeou o advogado Antonio Malva Neto para a diretoria do Departamento de Radiodifusão Privada do ministério. O advogado é sócio do empresário Willer Tomaz, considerado parceiro e amigo do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

Leia também:


Leia também


Últimas notícias