Você está aqui: Página Inicial / Internacional / 2009 / 05 / Jovens de movimento comunitário são liberados depois de manifestação

Jovens de movimento comunitário são liberados depois de manifestação

Entre os 22 detidos estavam integrantes da Horta “Orgásmica”, destruída esta semana pelo governo de Buenos Aires
por João Peres, da RBA publicado , última modificação 20/05/2009 18h50
Entre os 22 detidos estavam integrantes da Horta “Orgásmica”, destruída esta semana pelo governo de Buenos Aires

Um vídeo lançado no blog do Huerta Orgazmika mostra a destruição promovida esta semana (Foto tirada pelos integrantes do movimento)

Uma mobilização organizada para protestar contra a destruição do projeto comunitário terminou em prisão na capital argentina nessa terça-feira (18). Os manifestantes se reuniram na frente do Centro de Gestão e Participação número 6 do Governo da Cidade de Buenos Aires, no bairro de Caballito. O centro é um dos responsáveis por passar tratores – sem autorização judicial – sobre o terreno ocupado há oito anos para a produção de alimentos, chamado de Huerta Orgazmika.
A polícia foi chamada para reprimir os organizadores do protesto, que tentaram se esconder em um centro cultural. Segundo testemunhas, os policiais invadiram o local e prenderam até mesmo aqueles que estavam trabalhando. Pessoas que estavam na rua também foram detidas e espancadas, como um jornalista que cobria os fatos.
Logo depois, uma manifestação foi realizada em frente à Delegacia Número 11 de Buenos Aires para exigir a imediata liberação dos detidos, o que aconteceu durante a noite. Um dos jovens espancados está internado com problemas nos rins. Os manifestantes foram notificados por danos à propriedade pública.
Em nota divulgada no próprio site, o Governo da Cidade de Buenos Aires, comandado pelo direitista Maurício Macri, afirmou que “recuperou para os moradores de Caballito uma área que havia sido usurpada há oito anos por um grupo de pessoas que não cumpria com as mínimas medidas de segurança, higiene e sanidade”. Além disso, alega-se que a ação foi motivada por inúmeras denúncias de vizinhos de que o lugar favorecia a instalação do mosquito transmissor da dengue.

registrado em: