Home Ambiente Cientista vai ao MPF contra liberação de cana na Amazônia
Crime de lesa pátria

Cientista vai ao MPF contra liberação de cana na Amazônia

Ele argumenta que os canaviais vão afetar a floresta amazônica, sua biodiversidade, os serviços ambientais e também a capacidade agrícola do país
Publicado por Cida de Oliveira, da RBA
14:46
Compartilhar:   
Paulo Lanzetta/Embrapa

Cana põe em risco perda da biodiversidade da Amazônia, do patrimônio genético e dos valiosos serviços ecossistêmicos

São Paulo – A liberação do plantio de cana na Amazônia e no Pantanal pelo governo de Jair Bolsonaro está sendo questionada no Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM). O pesquisador Lucas Ferrante, doutorando do programa de Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), protocolou representação no último dia 11 pedindo investigação sobre crime de lesa-pátria praticado por Jair Bolsonaro e os ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Agricultura, Tereza Cristina, que assinam o Decreto 10.084,  de 5 de novembro. A medida revoga o Decreto 6.961, de setembro de 2009, em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva instituiu o zoneamento para o plantio da cana e as operações de financiamento ao setor sucroalcooleiro.

De acordo com informações da Agência Amazônia Real, Lucas Ferrante apresentou ao MPF argumentos baseados em artigos científicos que demonstram a inviabilidade econômica e ambiental da produção de cana-de-açúcar nos biomas, que pode aumentar os índices de desmatamento e comprometer serviços ambientais nos dois biomas.

“A medida afeta a biodiversidade e serviços ecossistêmicos de maneira irreversível, consequentemente a economia, a agricultura e o abastecimento humano em um nível sem retorno, ou seja, colapsa todos estes quesitos essenciais para o país”, disse Ferrante em entrevista à Amazônia Real.

Em um de seus artigos, afirma que “os tomadores de decisão, como políticos e as instituições nacionais e internacionais que financiam grandes empresas agrícolas não devem ser enganados pelo doce sabor de uma nova fronteira agrícola a ser explorada. Eles devem ser orientados pela necessidade de evitar a perda da biodiversidade da Amazônia, do patrimônio genético e dos valiosos serviços ecossistêmicos, incluindo a regulamentação climática para a área com a maior população e produção agrícola da América do Sul”,  referindo-se à região Sudeste do país.

Por isso afirma que a decisão do governo Bolsonaro “é um crime de lesa-pátria que afeta não apenas a maior floresta tropical do mundo e sua biodiversidade, mas também serviços ambientais essenciais para a manutenção do abastecimento humano e agricultura das regiões Sul e Sudeste do Brasil. O impacto afetará a capacidade agrícola do país”.

De acordo com a legislação brasileira, o crime de lesa-pátria é aquele que atenta contra a integridade territorial e a soberania nacional.

O pesquisador também lançou uma petição que pede a revogação do decreto que liberou o cultivo da cana-de-açúcar na Amazônia.