Brasil voltou

De cooperação comercial a projeto aeroespacial, China e Brasil assinam 15 acordos bilaterais

Em encontro com presidente Xi Jinping, Lula reitera amizade entre os países e desfaz embaraços causados pelo governo Bolsonaro. “Ninguém vai proibir que o Brasil aprimore sua relação com a China”

Embaixada da China no Brasil/Twitter
Embaixada da China no Brasil/Twitter
“Xi Jinping, o principal líder da China, deu ao presidente do Brasil um tapete vermelho de boas-vindas a Pequim”

São Paulo – Em seu encontro oficial com o líder da China, Xi Jinping, nesta sexta-feira (14), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve a preocupação de reiterar cordialidade e amizade, desfazendo assim a péssima impressão deixada pelo governante brasileiro anterior. Jair Bolsonaro atacou os chineses com mentiras e provocações gratuitas durante quatro anos de seu mandato. “Não temos preconceito com o povo chinês”, afirmou Lula.

O cerimonial em Pequim recepcionou a delegação brasileira ao som da música Novo Tempo, de Ivan Lins:

O brasileiro deu a declaração no encontro no Grande Palácio do Povo, sede do governo chinês, em Pequim. “Ninguém vai proibir que o Brasil aprimore sua relação com a China”, continuou. Ontem o chefe de governo brasileiro visitou o centro de desenvolvimento da gigante de tecnologia Huawei, pivô de uma recente e intensa “guerra tecnológica” com os Estados Unidos.

“Ontem fizemos visita à Huawei, em uma demonstração que queremos dizer ao mundo que não temos preconceito com o povo chinês. E que ninguém vai proibir que o Brasil aprimore sua relação com a China”, disse.

Lula e Xi Jinping assinaram 15 acordos bilaterais. Entre eles, um que incentiva mecanismos para ampliar o comércio entre os dois países e o desenvolvimento da pesquisa e da inovação, o que já existe (veja lista abaixo).

Ao questionar hegemonia do dólar, Lula se aproxima da Eurásia e desafia EUA

Ucrânia na pauta

No Twitter, a embaixada chinesa no Brasil se pronunciou dizendo que “o presidente Xi expressou a sua disposição de trabalhar com o presidente Lula para conduzir e criar um novo futuro para as relações China-Brasil na nova era, e a sua confiança de que uma relação China-Brasil, que continua a desfrutar de um crescimento sólido e estável, deverá desempenhar um papel importante e positivo para a paz, estabilidade e prosperidade em suas regiões e além”.

Segundo o site Poder360, que enviou equipe de reportagem à China, os dois líderes concordaram ser necessário construir um “plano de paz” para a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Lula afirmou que o Brasil quer participar da construção de soluções para o conflito. Ao estilo chinês, Xi disse que preferia falar do tema mais reservadamente, mas concordou que é preciso um plano para pôr fim à guerra, segundo a reportagem.

O tema também foi abordado pelo jornal note-americano The New York Times, em matéria intitulada “Presidente do Brasil discutirá sua proposta de paz com o líder da China”. No texto, a versão online do diário destacou que “Xi Jinping, o principal líder da China, deu ao presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, um tapete vermelho de boas-vindas a Pequim, com pompa militar, antes de realizar conversas que devem incluir uma discussão de possíveis planos de paz para a Ucrânia”.

Confira a lista dos acordos assinados entre Lula e Xi Jinping:

  • Memorando sobre o grupo de trabalho de comércio entre o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços do Brasil e o Ministério do Comércio da China;
  • Protocolo sobre o desenvolvimento conjunto do satélite Cbers-6 entre sobre cooperação em aplicações pacíficas de ciência e tecnologia do espaço exterior;
  • Memorando sobre cooperação em pesquisa e inovação entre os ministérios de Ciência e Tecnologia dos dois países;
  • Memorando de entendimento entre os dois governos sobre cooperação em tecnologias da informação e comunicação;
  • Memorando de entendimento para a promoção do investimento e cooperação industrial;
  • Memorando de entendimento sobre o fortalecimento da cooperação em investimentos na economia digital;
  • Memorando de entendimento entre o Ministério da Fazenda do Brasil e o Ministério das Finanças da China;
  • Memorando sobre cooperação em informação e comunicações entre os ministérios do setor;
  • Acordo de coprodução televisiva;
  • Memorando de entendimento entre mídia da China e Secretaria de Relações Institucionais da Presidência do Brasil;
  • Acordo de cooperação entre agência de notícias Xinhua e EBC;
  • Memorando de cooperação para o desenvolvimento social e rural e combate à fome e à pobreza;
  • Plano de cooperação espacial 2023-2032 entre a Administração Espacial Nacional da China e a Agência Espacial Brasileira;
  • Plano de trabalho Brasil-China de cooperação na certificação eletrônica para produtos de origem animal;
  • Protocolo sobre requisitos sanitários e de quarentena para proteína processada de animais terrestres a ser exportada do Brasil para a China.

Leia também:

Brasil tem US$ 335 bi de reservas e China, US$ 2 tri. Hegemonia do dólar não muda tão cedo, diz analista
Com Lula presente, Dilma toma posse na presidência do ‘Banco dos Brics’
Haddad faz reuniões em busca de investimentos chineses, de 5G a carro elétrico
Governo não vai criar taxa de importação: objetivo é evitar concorrência desleal, afirma Haddad
Revista ‘Time’ inclui Lula na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo como líder ambiental 



Leia também


Últimas notícias