Você está aqui: Página Inicial / Mundo / 2017 / 05 / Venezuela define próximos passos do processo constituinte. Oposição chama boicote

América do Sul

Venezuela define próximos passos do processo constituinte. Oposição chama boicote

Cidadãos poderão se candidatar para ser deputado constituinte, desde que tenham o apoio de 3% dos eleitores
por Jônatas Campos, em Caracas publicado 26/05/2017 17h22, última modificação 26/05/2017 17h37
Cidadãos poderão se candidatar para ser deputado constituinte, desde que tenham o apoio de 3% dos eleitores
Andrés E. Azpúrua/Flickr
caracas.jpg

Serão eleitos 545 deputados constituintes. Cada município venezuelano terá um deputado e as capitais, dois

Brasil de Fato – Semana que vem, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), vai disponibilizar em sua página web o formulário para os venezuelanos que queiram se candidatar para concorrer a uma vaga na Assembleia Nacional Constituinte, que está programada para ocorrer em julho próximo.

A reitora presidente do CNE, Tibisay Lucena, explicou que serão eleitos um total de 545 deputados constituintes. Desses, 364 representarão seus municípios, ou seja, cada município venezuelano terá um deputado e as capitais terão dois. 

Os povos indígenas terão oito deputados para representá-los. Os diversos setores sociais e econômicos da Venezuela terão 173 deputados no total.

Depois de inscritos no web site, o pretenso candidato terá que colher assinaturas que correspondam a 3% dos eleitores de seu setor. Esses apoiadores terão que ser eleitores venezuelanos, inscritos no CNE por sua atividade laboral. Por exemplo, um postulante a ser deputado constituinte representando os pescadores, terá que andar com um formulário em busca de outros pescadores que apoiem sua candidatura. 

Oposição

As principais lideranças de oposição não aceitaram o chamado para a Assembleia Nacional Constituinte e dizem que vão boicotá-la. Um dos principais opositores, o governador do Estado Miranda, Henrique Capriles Radonski, chamou o processo de “fraude constitucional” e uma etapa a mais do golpe de Estado que, segundo ele, o chavismo – como são chamados no país os apoiadores do governo Maduro, em referência ao ex-presidente Hugo Chávez, iniciador do processo – continua praticando.

Hoje, sexta-feira (26), a oposição fará outro protesto, o que novamente deve complicar o trânsito e a rotina em Caracas. Um motorista, que trabalha no centro de Caracas afirmou à reportagem que hoje "ninguém mais vai para o leste da capital", referindo-se à região rica de Caracas, onde sempre se iniciam os protestos. 

Desde sábado, quando a reportagem do Brasil de Fato chegou a Caracas, já foram realizadas quatro marchas opositoras, praticamente uma  a cada dois dias. Neste sábado, haverá outra. 

Uma das críticas mais contundentes da oposição ao processo bolivariano era o atraso na definição de eleições estaduais, que deveriam ter ocorrido em dezembro de 2016. 

O governo justifica o atraso no cronograma por conta da violência dos protestos oposicionistas. Mas na última quarta-feira (24), o órgão eleitoral fixou a data das eleições para governadores em 8 de dezembro.