Breno Altman

Regime sionista é inimigo da humanidade

Pessoas de todo o mundo, incluindo judeus, protestam contra atos de Israel

UNRWA/Twitter
UNRWA/Twitter
Cidadãos palestinos saindo de Khan Younis, em Gaza, por conta de ataques israelenses

(*) Artigo publicado originalmente na Folha de S. Paulo, em 28/11/2023

Um dos mais pobres recursos de polêmica é a tergiversação. O artigo de Alexandre Schwartsman nesta Folha (O que Breno Altman esconde?, 17/11) inscreve-se nessa infeliz tradição ao contestar um texto meu (Quem irá parar a mão assassina de Israel?, 13/11). O autor simplesmente se esquiva do debate mais urgente, assunto exclusivo daquelas linhas, sobre os meios para deter a carnificina israelense contra o povo palestino, especialmente na Faixa de Gaza, impondo imediato e permanente cessar-fogo.

Ávido por maquiar o terrorismo de Estado praticado por Israel, Schwartsman atabalhoadamente apela ao surrado truque sionista de comparar seus críticos aos propagadores de ódio contra judeus — algo insultante contra alguém, como eu, cuja família foi vítima do Holocausto.

Denuncia-me por ressaltar que “a maior causa do antissemitismo é o Estado colonial e racista de Israel”. Evidentemente me refiro ao período posterior à Segunda Guerra, quando a derrota do nazismo tornou residual e criminosa, na Europa, a perseguição contra judeus. O recrudescimento ocasional do antissemitismo, desde então, está diretamente vinculado ao papel opressivo do sionismo, causando uma repulsa que lamentavelmente não diferencia essa corrente e o judaísmo.

Acusa-me de pregar a “liquidação do Estado de Israel”, resgatando um comentário no qual defendo o fim do regime sionista, com sua substituição por um Estado único, laico e democrático para a Palestina, na qual vivam todos os povos da região, com os mesmos direitos.

Essa proposta nada tem de novidade, sendo advogada tanto por forças palestinas quanto israelenses. Até mesmo para a solução dos dois Estados, considerada morta por muitos estudiosos, seria obstáculo intransponível a persistência, em Israel, de um sistema ditado por supremacia étnico-religiosa, dominação colonial e apartheid. Basta ver a dinâmica de expansionismo e limpeza étnica que marca a história desse Estado desde os primórdios, alimentando a espiral de violência.

Observemos o que se passou desde os Acordos de Oslo, em 1993: cerco marcial dos territórios ocupados, multiplicação dos assentamentos judaicos nessas áreas, controle da água e energia elétrica, monopólio de impostos e moeda, escalada da repressão. São 30 anos de negação à autodeterminação dos palestinos, a comprovar que nunca foi verdadeiro o compromisso dos sionistas com essa perspectiva.

Meu crítico parece inspirado pelo cinismo dos pactos dilatórios. “O caminho para a paz”, afirma, “requer a retirada israelense da Cisjordânia, provavelmente com uma permuta justa de terras”. Nada diz sobre a Faixa de Gaza e Jerusalém ou igualdade de direitos. De tão honesto em seus propósitos, tampouco se refere aos mais de 600 mil colonos judeus e suas milícias armadas, que ocupam ilegalmente terras pertencentes aos palestinos.

Leia também: Lula conversa com presidente de Israel sobre situação em Gaza

Schwartsman vocaliza o chauvinismo típico de ideologias racistas e coloniais, que se torna mais agressivo na decadência. Antes protegido pela apropriação do Holocausto como álibi, o regime sionista, com as entranhas expostas pelo massacre contra palestinos, vive sua hora mais amarga. Milhões de pessoas, incluindo judeus, estão nas ruas de todo o mundo para repelir tantos atos de sangue, vingança e genocídio.


Breno Altman é jornalista e fundador do site Opera Mundi