Com ele não

Noruega se diz pronta para repasses ao Fundo Amazônia, mas sem Bolsonaro

“Se houver uma mudança (de governo) no Brasil, temos esperanças de que possamos retomar uma parceria boa e ativa’, disse o ministro do Meio Ambiente, Espen Barth Eide

Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência Brasil
Atividades em todo o país são um alerta para a escalada de ataques sofridos pela Amazônia

São Paulo – Em entrevista à agência Reuters nesta quarta-feira (22), o ministro do Meio Ambiente e Clima da Noruega, Espen Barth Eide, afirmou que o seu país está pronto para retomar os pagamentos ao Fundo Amazônia, caso o presidente Jair Bolsonaro seja, de fato, derrotado nas próximas eleições, como indicam as pesquisas de opinião.

“Se for como mostram as pesquisas e houver uma mudança (de governo) no Brasil, temos grandes esperanças de que possamos retomar rapidamente uma parceria boa e ativa”, disse o ministro. Ele também acenou indiretamente ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal candidato de oposição à sucessão de Bolsonaro.

“O que eles disseram, do lado da oposição, foi muito positivo”, disse o ministro. Ele acrescentou que o trabalho no fundo pode ser retomado “muito rápido”, em questão de “semanas ou meses”. A condição é que a oposição “faça o que diz que vai fazer”.

A Noruega é a principal financiadora do Fundo Amazônia. Entre 2008 e 2018, o país repassou 1,2 bilhão de dólares ao fundo, que financia políticas de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento. Com apoio financeiro, as taxas de desmatamento diminuíram durante esse período.

O fundo, no entanto, foi congelado em meados de 2019, após as taxas de desmatamento da Amazônia dispararem desde o início do governo Bolsonaro. Posteriormente, a Alemanha também interrompeu a ajuda financeira ao Fundo Amazônia, por discordar do desmantelamento das políticas ambientais promovidas pelo então ministro Ricardo Salles. Desde então, o Fundo Amazônia não aprovou mais nenhum projeto de preservação ambiental.

Recorde de devastação

Nesta segunda (20), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) revelou que, somente nos cinco primeiros meses de 2022, a Amazônia perdeu o equivalente a 2 mil campos de futebol por dia de mata nativa. Trata-se, assim, da maior devastação medida pelo instituto, que monitora a Amazônia Legal desde 2008.



Leia também


Últimas notícias