Acordo

Dez mil metalúrgicos do ABC garantem aumento real. Outras fábricas podem ter greve

Segundo o sindicato, são 9,7 mil trabalhadores de 47 empresas com reajuste de 6,14%. Mobilização vai prosseguir na base

Adonis Guerra/SMABC
Adonis Guerra/SMABC
Metalúrgicos aprovam acordo, mas negociações vão prosseguir na base

São Paulo – Perto de 10 mil trabalhadores na base do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC garantiram acordo que prevê reajuste salarial de 6,14%, índice que inclui 2% de aumento real (acima da inflação). A proposta foi aprovada em assembleia realizada ontem (17) à noite, na regional Diadema da entidade.

Segundo o sindicato, esses acordos incluem 9,7 mil metalúrgicos em 47 empresas da base (São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra). A assembleia também aprovou aceitação de acordos que garantam o mesmo percentual, além de contribuição negocial (de 4%) para trabalhadores não associados. As negociações fazem parte da campanha salarial da categoria, que tem data-base em 1º de setembro. São 13 sindicatos filiados à CUT no estado de São Paulo.

Moisés: economia está melhorando e permite reajuste com ganho real
(Foto: Adonis Guerra/SMABC)

Assim, a partir desta quarta-feira (18), o sindicato do ABC começa com paralisações nas fábricas para pressionar pelo reajuste. “Deixamos claro todos os motivos para justificar o aumento, a economia está melhorando, a expectativa é que o PIB seja maior no ano que vem. Qual é a justificativa para não dar o aumento?”, argumentou o presidente da entidade, Moisés Selerges, falando em “desrespeito” das bancadas patronais.

Na base do sindicato dos metalúrgicos do ABC, a campanha envolve 45 mil trabalhadores. No caso das montadoras (25 mil), às negociações são feitas à parte.


Leia também


Últimas notícias