Sem fim

Brasileiros lamentam morte de Refaat Alareer após bombardeio: ‘Mais um poeta morto em Gaza’

Professor universitário e sua família morreram após ataque aéreo israelense

Reprodução/Montagem RBA
Reprodução/Montagem RBA

São Paulo – Acadêmicos, artistas e intelectuais lamentaram a morte do professor de literatura e escritor palestino Refaat Alareer, na quinta-feira (7), após ataque aéreo de Israel. Com 44 anos, ele dava aulas na Universidade Islâmica de Gaza, instituição fundada em 1978, com aproximadamente 18 mil alunos.

O músico brasileiro Guttemberg Guarabyra postou mensagem na rede social X, antigo Twitter, lembrando que o ataque também matou irmão, irmã e filhos do professor e ativista. “Alareer era um querido professor de literatura mundial, literatura comparada, Shakespeare e escrita criativa na Universidade Islâmica de Gaza, onde lecionava desde 2007.”

“De coração partido”, escreveu o também professor e escritor palestino Mosab Abu Toha. “Eu não quero acreditar nisso. Nós dois gostávamos de colher morangos juntos.”

Palestina e Shakespeare

Quem também se manifestou foi o escritor Marco Lucchesi, presidente da Fundação Biblioteca Nacional (FBN). “Refaat Alareer, poeta e escritor, com quem conversamos, faz muitos anos, para um projeto de tradução, morreu debaixo das bombas. Mais um poeta morto em Gaza. Não quero dizer coisa alguma. Os fatos gritam. Silêncio ruidoso. Indignação.”

Ele foi um dos criadores do projeto We are not numbers (“Nós não somos números”), que ajudava autores de Gaza a escrever, em inglês, sobre a vida no território. O jornalista free-lancer Séamus Malekafzali lembrou que Alareer gravou muitas de aulas e palestras, disponíveis on-line. “Gostaria de encorajar todos vocês a assisti-los e ver o amor que ele tinha pela poesia, por Shakespeare e pela Palestina.”


Leia também


Últimas notícias