Brasil voltou

Mercado eleva expectativas em Brasil com baixo desemprego e novas empresas

Em agosto, o Brasil criou 16 empresas por dia. Desemprego em baixa, PIB acima do esperado. Resultados do governo elevam expectativas sobre o desempenho da economia

Tony Winston/Agência Brasília
Tony Winston/Agência Brasília
Anteriormente pessimistas, os analistas do mercado passaram a considerar o cenário positivo

São Paulo – Enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil está no maior patamar da série histórica, 7,2% acima do nível pré-pandemia, o desempenho da economia já aponta para crescimento de 3,2% neste ano, segundo estimativas. Anteriormente pessimistas, os analistas do mercado passaram a considerar o cenário positivo. Nesta segunda-feira (11), o Boletim Focus, do Banco Central (BC), elevou a estimativa de crescimento acumulado neste ano de 2,84% para 2,92%.

Para o próximo ano, a expectativa para o PIB (a soma dos bens e serviços produzidos no país) – é de crescimento de 1,51%. Para 2025 e 2026, o mercado financeiro projeta expansão do PIB em 2% para os dois anos. Contudo, o mercado já esperou resultados da gestão Luiz Inácio Lula da Silva que não se concretizaram. As expectativas vêm sendo superadas constantemente.

Neste panorama de bons resultados econômicos, também está o  Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian. De acordo com a entidade, Em agosto, 367.339 novos registros de CNPJs foram abertos no Brasil, uma média de 16 empreendimentos por dia.

Novas empresas no Brasil

“Uma parcela significativa dos cidadãos brasileiros nutre o desejo de empreender, buscando não apenas flexibilidade e independência, mas também realização pessoal e a construção de um legado. (…) Na conjuntura atual, marcada pela diminuição do índice de desemprego, observamos o surgimento de empresas mais impulsionado pela inclinação empreendedora do que pela urgência”, afirma o economista da Serasa Experian Luiz Rabi.

No mês de agosto, São Paulo se destacou entre as unidades federativas, com a criação de 110.212 novos CNPJs, liderando a lista. Em seguida vieram Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná. Para o levantamento do Nascimento de Empresas, foi considerada a quantidade mensal de novas empresas registradas nas juntas comerciais de todas as unidades federativas do Brasil, bem como a apuração mensal dos CNPJs consultados pela primeira vez na base de dados da Serasa Experian.

Com informações da Agência Brasil


Leia também


Últimas notícias