Campanha

Comando Nacional dos Bancários entrega nesta terça minuta de reivindicações à Fenaban

Entre as prioridades para a categoria estão o aumento real de 5% (inflação + 5%), PLR maior e ampliação de direitos. E também o fim do assédio e da cobrança de metas, que levam ao adoecimento

Divulgação / Bancários TO
Divulgação / Bancários TO
A defesa dos empregos, considerando os avanços tecnológicos, também está entre as reivindicações

São Paulo – Comando Nacional dos Bancários entregará nesta terça-feira (18) à Federação Nacional do Bancos (Fenaban) a minuta de reivindicações. O texto é a base da campanha nacional da categoria para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho em 2024.

Em São Paulo, a categoria estará nesta terça, a partir das 10h, na Avenida Paulista (Avenida Paulista, 1804), para o lançamento da Campanha Nacional Unificada 2024 — as centrais sindicais também organizam no mesmo horário ato contra os juros altos. Às 13h será a entrega da minuta de reivindicações para a Fenaban.

O documento é resultado de diversas conferências estaduais e regionais, em todo o país. Informações coletadas na Consulta Nacional dos Bancários, realizada entre 17 de abril e 2 de junho, com 46.824 respondentes, também foram consideradas na minuta. E finalmente, mais 95% dos participantes das assembleias em todo o Brasil na última quinta-feira (13) aprovaram os termos.

Antes da fase das assembleias, porém, também foi submetida à validação da 26ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, entre os dias 7, 8 e 9 de junho.

Entre as prioridades apontadas pela categoria estão o reajuste com inflação mais aumento real de 5% (INPC na data-base), valorização do VA e VR, manutenção dos empregos, igualdade salarial entre homens e mulheres, jornada de 4 dias, fim das metas abusivas e defesa dos bancos públicos.

Também nesta terça, os representantes da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa também entregarão, as respectivas minutas de reivindicações para a renovação dos Acordos Coletivos de Trabalho (ACTs).

Real necessidade da categoria

“Nossa campanha começou em abril, com a consulta à categoria, e em seguida as conferências estaduais e hoje finalizamos a Conferência Nacional. O resultado da consulta reflete a real necessidade da categoria. Nas cláusulas econômicas, as principais reivindicações foram por aumento real, PLR maior, e reajustes no vale-alimentação e refeição. Entre as cláusulas sociais, a consulta apontou a manutenção dos direitos, emprego, combate ao assédio moral e jornada de quatro dias. E destaca como a atual política dos bancos compromete a saúde dos empregados: um terço dos bancários responderam que usam medicamentos controlados”, destaca Neiva Ribeiro, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

“O setor mais lucrativo da economia tem condições de atender os trabalhadores. O Banco Central divulgou recentemente seu relatório de economia bancária mostrando que em 2023 o lucro total do setor bancário bateu recorde histórico. Em um contexto de baixa inflação em que quase 90% das negociações salariais estão tendo ganho real, os bancários têm de ter isso como prioridade, tanto nos salários quanto na PLR”.

Entre as prioridades para os bancários estão:

  • Fim de cobranças excessivas para o cumprimento de metas;
  • Defesa dos empregos diante dos avanços tecnológicos no setor financeiro;
  • Reajuste com inflação e
  • Aumento real de 5% (INPC na data-base).

Conheça os nove eixos da minuta de reivindicações:

  • Aumento real de 5% (inflação + 5%), PLR maior e ampliação de direitos
  • Fim do assédio e dos instrumentos adoecedores na cobrança de metas
  • Representação de todos os trabalhadores do ramo financeiro
  • Defesa dos empregos, considerando os avanços tecnológicos no trabalho bancário
  • Redução da taxa de juros para induzir o crescimento econômico e geração de emprego e renda
  • Reforma tributária: tributar os super ricos e ampliar a isenção do IR na PLR
  • Fortalecimento das entidades sindicais e da negociação coletiva
  • Ampliação da sindicalização
  • Fortalecimento do debate sobre a importância das eleições de 2024 para a classe trabalhadora na defesa de seus direitos e da democracia: eleger candidatos e candidatas que tenham compromisso com as pautas dos trabalhadores.

Leia também:

Bancários reivindicam aumento real, jornada de 4 dias e igualdade salarial

Redação: Cida de Oliveira, com CUT PR e Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região