Desconfiança

Metalúrgicos querem reunião com construtora que negocia compra da fábrica da Ford

Sindicato lamenta falta de transparência no negócio. Unidade de São Bernardo, que fechou em outubro, estaria sendo vendida por R$ 550 milhões

Adonis Guerra/SMABC
Assembleia na Ford: metalúrgicos tentaram até o limite manter a fábrica funcionando

São Paulo – O noticiário sobre negociações para venda da área da Ford em São Bernardo de Campo ganhou mais um capítulo na semana passada. Agora, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC tenta interlocução com a Construtora São José, que está negociando com a montadora. A informação foi confirmada pela Ford ao sindicato na última sexta-feira (19), durante reunião por videoconferência com o presidente da companhia na América do Sul, Lyle Watters.

Os metalúrgicos lamentaram a postura da empresa no episódio. A notícia foi divulgada inicialmente pela prefeitura de São Bernardo. E não há confirmação de que, concluída a transação, o local seja de fato destinado a um empreendimento industrial.

A alguns veículos, a construtora informou que o local deverá ser destinado a um parque logístico e industrial, com galpões. O valor do negócio ficaria em R$ 550 milhões.

“Durante o processo de fechamento da fábrica, no decorrer do primeiro semestre de 2019, houve o comprometimento da Ford com o Sindicato de que a negociação para venda da área teria como premissa a manutenção de um complexo de produção industrial que pudesse oferecer oportunidade de trabalho aos ex-funcionários da unidade”, afirmam os metalúrgicos, em nota assinada pelo presidente da entidade, Wagner Santana, o Wagnão. “No entanto, na reunião de hoje (sexta-feira), a Ford não esclareceu ao Sindicato que tipo de negócio será realizado no local pelo possível comprador, informando apenas que se este se concentrará na área de logística e construção.”

História manchada

Para os metalúrgicos, a Ford descumpre o que havia acordado com o próprio sindicato – “e, infelizmente, mancha fortemente a história da empresa na região do ABC, construída ao longo de muitas décadas”. O sindicato afirma ainda que “continuará defendendo a manutenção do parque fabril e dos empregos, e estará atento, cobrando do poder público o compromisso que a área não se transforme, em hipótese alguma, num condomínio residencial”.

A Ford anunciou o fechamento da unidade de São Bernardo, a mais antiga da montadora em atividade no Brasil, em fevereiro do ano passado. Os metalúrgicos iniciaram uma série de atividades para reverter a decisão, incluindo uma reunião com a direção mundial, nos Estados Unidos. Mas a produção de veículos terminou em junho e a de caminhões, em outubro.

Com sede na zona oeste de São Paulo, a São José é uma construtora com quase quatro décadas de atuação, conhecida por empreendimentos de alto padrão. Procurada, não deu retorno.

Leia mais

Metalúrgicos vão ao BNDES: mais um passo para viabilizar a aquisição da Ford

Ford fecha em São Bernardo: na última assembleia, lembranças, lágrimas e incerteza