Mais três anos

Eleição para direção dos Metalúrgicos do ABC tem segunda fase

Pela primeira vez, processo será feito remotamente. Mas também haverá urnas fixas

Adonis Guerra/SMABC
Em 2017, Wagnão (à direita) substituiu Rafael. Ele deverá ser reconduzido para um segundo mandato, até 2023

São Paulo – A segunda fase da eleição do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC será realizada nestas quarta e quinta-feira (24 e 25). Inicialmente prevista para abril, essa etapa foi suspensa devido à pandemia de coronavírus e à necessidade de isolamento social. A primeira foi realizada em março. A eleição tem chapa única.

Inicialmente, os metalúrgicos elegem os chamados comitês sindicais de empresa (CSEs), com eleições nas fábricas. Atualmente, são 55 comitês nos quatro municípios da base (São Bernardo do Campo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), além dos aposentados (CSA). Foram eleitos 193 trabalhadores, que fazem parte da direção plena.

Destes 193, serão agora escolhidos os 33 que vão compor o conselho da executiva da direção e o conselho fiscal. O mandato, com duração de três anos, começa em 19 de julho.

Virtual

Pela primeira vez, a eleição nos será feita por meio eletrônico. O sócio deverá acessar a página da entidade na internet. Mas também haverá mesas coletoras de votos na sede do sindicato, em São Bernardo, em Diadema e Ribeirão Pires. Os metalúrgicos informam que serão observados “todos os protocolos sanitários para prevenção” da covid-19.

Em 2017, foi eleito Wagner Santana, o Wagnão, trabalhador da Volkswagen, que sucedeu Rafael Marques (Ford) e agora é indicado para um segundo mandato. A eleição foi em 18 e 19 de abril, e no primeiro dia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi ao sindicato para votar. Sócio benemérito, ele dirigiu a entidade de 1975 a 1981.

O resultado do segundo turno será divulgo na Tribuna Metalúrgica, jornal do sindicato, criado nos anos 1970.