Protesto e solidariedade

Petroleiros fazem primeiro dia de greve com corte nos turnos e doação de sangue

FUP reitera que atividades não desrespeitam determinação do TST nem comprometem abastecimento. Petroleiros lembrar dia nacional do doador de sangue

FUP
Em vários lugares, como no centro do Rio, petroleiros se mobilizaram para doar sangue

São Paulo –Com doações de sangue – hoje é o dia nacional do doador – e cortes de turno em unidades, os petroleiros fizeram nesta segunda-feira (25) o primeiro de cinco dias de greve, que segundo a FUP, federação da categoria, visa a alertar para os riscos da política de demissões e de transferência de pessoal implementada pela atual direção da Petrobras.

De acordo com a entidade, a mobilização não desrespeita decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que no sábado concedeu liminar à empresa proibindo a paralisação.

Apenas no primeiro dia, a FUP estima que 6 mil trabalhadores devem participar das atividades, que também incluem manifestações diante de locais de trabalho. Durante a semana, diz a federação, 26 mil petroleiros estarão mobilizados.

Nesta terça (26), às 7h, por exemplo,  haverá distribuição de mil cestas básicas para demitidos do sistema Petrobras, na Refinaria Duque de Caxias (Reduc), em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil do Rio de Janeiro. No Aeroporto do Farol de São Tomé, em Campos dos Goytacazes, norte fluminense, petroleiros vão doar sangue das 8h às 12h, em um ônibus cedido pelo HemoRio, vinculado ao governo estadual. Hoje, essa ação ocorreu na Cinelândia, no centro do Rio. A atividades é chamada nas redes sociais de #PetrobrasnaVeia.

“A categoria reforça que sua mobilização não fere as determinações legais, mas se encaixa perfeitamente neste momento de especial atenção da população com a doação de sangue e com o meio ambiente, após o vazamento de óleo, de origem ainda desconhecida, que atingiu praias do Nordeste, Espírito Santo e chegou ao Rio de Janeiro”, afirma a FUP. “As mobilizações estão ocorrendo sem prejuízo do abastecimento dos combustíveis ou da produção de petróleo e gás natural.” Ainda de acordo com a federação, a greve, aprovada por assembleias na bases, teve “atrasos e cortes na rendição dos turnos em diversas unidades operacionais”.

Ao mesmo tempo, a entidade afirma que a Petrobras descumpre termos do acordo coletivo de trabalho, assinado no dia 4 depois de negociação mediada pelo próprio TST, efetuando demissões e transferências, além de incluir metas de segurança, saúde e meio ambiente como critérios para pagamento de bônus. A federação ainda chama a atenção para os frequentes aumentos dos preços de combustíveis. “A atual gestão quer parecer que está preocupada com o abastecimento nacional, mas não mostra preocupação com a população com quando promove aumentos frequentes nos preços da gasolina e do óleo diesel para alinhar seus preços ao mercado internacional. Por isso, nós queremos mostrar que estamos alinhados aos interesses da sociedade e que estamos junto com ela não apenas para garantir a produção, mas em ações solidárias, unindo nossas causas”, diz o coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel.

No sábado, o ministro Ives Gandra Martins, do TST, concedeu liminar para impedir a greve, ainda fixando multa diária de R$ 2 milhões por entidades em caso de descumprimento da determinação. Ele avaliou que, aparentemente, não há motivação para a paralisação, afirmando que o acordo coletivo “foi assinado há 18 dias, e as cláusulas cujo cumprimento se exige de imediato são de caráter programático, sem prazo específico para implementação”. Isso, segundo ele, mostra que não há “prova nem tempo” para descumprimento da norma. Além disso, Gandra, ex-presidente do tribunal conhecido por posições pró-empresariais, disse levar em conta o risco de desabastecimento de combustível.

Apenas nos cinco últimos anos, a empresa cortou quase 23 mil postos de trabalho. Tinha 86.111 no final de 2013 e fechou 2018 com 63.361, sendo 47.556 na controladora e os demais na subsidiárias.