Home Trabalho Com festa pelo ‘camisa 10’ Lula, CUT-SP reelege presidente e organiza movimento de resistência
Congresso

Com festa pelo ‘camisa 10’ Lula, CUT-SP reelege presidente e organiza movimento de resistência

Professor Douglas Izzo continua à frente da central nos próximos quatro anos. Segundo ele, luta é em defesa de direitos e do fortalecimento do Estado
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
14:19
Compartilhar:   
Dino Santos/CUT-SP

Nova direção da CUT em São Paulo foi escolhida por unanimidade, com chapa única

São Paulo – O professor Douglas Izzo, da rede estadual paulista, foi reeleito para a direção da CUT São Paulo, em congresso marcado pela comemoração da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última sexta-feira (8). Os aproximadamente 500 delegados do 15ª congresso estadual da central (Cecut) anteciparam a eleição – que teve chapa única – para participar do ato no sábado no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, onde Lula discursou.

Além de Douglas, o metalúrgico João Cayres permanece como secretário-geral da CUT paulista. O vice-presidente será Luiz Cláudio Marcolino, do setor bancário. O mandato é de quatro anos, com paridade entre homens e mulheres.

“Foram quatro anos diferenciados de luta política e de classe do nosso país. Foi uma gestão que em nenhum momento se furtou de construir com a base as greves gerais e grandes movimentos que ocorreram neste período”, afirmou o presidente reeleito, que fez uma analogia futebolística ao se referir a Lula. “Nosso camisa 10 sai do banco e entra no jogo para fortalecer os enfrentamentos aos ataques aos direitos.”

A resistência precisa continuar, lembrou Douglas. “Temos também o desafio de fazer o enfrentamento à política de Bolsonaro, que ataca sindicatos, que apresenta uma proposta de reformas que significa destruir o Estado brasileiro, destrói os serviços públicos e aumenta a terceirização. Uma conjuntura que não é diferente em São Paulo, com o governo João Doria”, disse o dirigente.

Cayres também  ressaltou a importância de Lula para o movimento sindical: “Temos muitos desafios pela frente diante do atual governo, mas agora a nossa luta fica ainda mais forte ao lado de Lula nas ruas”. O congresso decidiu realizar uma plenária, em fevereiro, para organizar o planejamento da central no estado.

Com informações da CUT-SP