Home Trabalho No fim do prazo dado pelo TST, petroleiros pedem continuidade de negociação
Impasse

No fim do prazo dado pelo TST, petroleiros pedem continuidade de negociação

Tribunal apresentou proposta de conciliação para evitar julgamento do dissídio. Sindicalistas avaliam que é possível estender negociação
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
18:26
Compartilhar:   
Reprodução

Rangel reconhece esforço do TST por um acordo, mas critica postura da empresa por falta de negociação

São Paulo – Ao final de prazo dado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) sobre proposta conciliatória, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) solicitou ao vice-presidente daquela casa, ministro Renato de Lacerda Paiva, que as negociações continuem. A entidade pede a ele para “ousar o restabelecimento da mediação, ou a instar a Petrobrás à retomada dos entendimentos, como forma única de se garantir, efetivamente, o direito fundamental à negociação coletiva de trabalho”. Sem acordo, o TST pode encaminhar julgamento de dissídio coletivo.

Na sexta-feira da semana passada, Paiva fez transmissão ao vivo para anunciar uma proposta em busca de acordo entre as representações dos petroleiros (FUP, FNP e sindicatos) e a Petrobras. O acordo coletivo foi prorrogado por um mês, até a próxima segunda-feira (30) – a categoria tem data-base em 1º de setembro. Ele manteve proposta da empresa de reajuste salarial com base em 70% do INPC acumulado nos últimos em 12 meses, aproximadamente 2,3%, além de preservar cláusulas da convenção coletiva.

“Percebemos na proposta da Vice-presidência, apresentada a 19 de setembro, o mérito da manutenção de diversos direitos, a cuja eliminação a Petrobrás se lançara”, diz a FUP em nota encaminhada ao TST. A entidade acrescenta que a negociação coletiva deve prosseguir, se possível “com a inestimável contribuição da mediação ou, caso contrário, diretamente entre as partes”.

Em vídeo, o coordenador da FUP, José Maria Rangel, afirma que a Petrobras rompeu uma “tradição” de resolução de conflitos internos por meio da negociação direta. E lembra que, durante todo o processo de mediação, nenhuma reunião bilateral (entre trabalhadores e empresa) foi realizada.

A entidade cita alguns pontos do acordo que ainda precisam ser esclarecidos, como os relativos a horas extras, custeio da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS), mensalidade sindical e vigência da própria convenção. “Não nos foi explicada como fica a situação das empresas subsidiárias”, acrescenta Rangel.