Home Trabalho Trabalhadores do Brics se reúnem no Brasil, que não tem mais ministro do Trabalho
Solidariedade

Trabalhadores do Brics se reúnem no Brasil, que não tem mais ministro do Trabalho

Durante encontro realizado em Brasília, que antecede a reunião de cúpula, sindicalistas fazem defesa do diálogo social e da manutenção de direitos
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
07:32
Compartilhar:   
Força Sindical

VIII Brics Sindical reúne aproximadamente 100 dirigentes de cinco países

São Paulo – O presente e o futuro do emprego são os temas principais da discussão iniciada na segunda-feira (16) em Brasília, reunindo representantes de governo, trabalhadores e empresários dos países do Brics, bloco formado por África do Sul, Brasil, China, Índia e Rússia. Aos trabalhadores caberá a denúncia sobre “reformas” que reduzem direitos, como já foi feito durante a cerimônia de abertura. Na quinta-feira (19), começa a reunião dos ministros do Trabalho e Emprego, com uma ironia: o anfitrião do encontro extinguiu seu Ministério do Trabalho. O encontro, que vai até sexta (20), é uma prévia para a XI Cúpula do Brics, em novembro, também na capital federal.

Paralelamente, desde esta terça (17) ocorre o VIII Brics Sindical, com aproximadamente 100 dirigentes dos cinco países. Eles se reúnem no auditório do bloco onde, até o ano passado, funcionava o Ministério do Trabalho – hoje, a pasta está sob comando da Economia, cujo ministro, Paulo Guedes, falará na manhã da quinta-feira. Ao lado do auditório, é mantida uma galeria de ex-ministros do Trabalho. O 1º secretário da Força Sindical, Sérgio Luiz Leite, o Serginho, presidente do Fórum Sindical do Brics, destacou a importância de realizar o encontro em um cenário de ofensiva contra direitos sociais e humanos e ataques à organização dos trabalhadores.

No evento de abertura, Serginho destacou a importância do diálogo social – no caso brasileiro, da falta de diálogo tripartite – e de iniciativas no sentido de reduzir direitos. “As reformas feitas no Brasil são extremamente precarizantes, sem contar as tentativas de desestruturar o movimento sindical”, afirma. Também na quinta, ele falará por 15 minutos para manifestar a posição dos representantes dos trabalhadores do Brics. Nos debates já realizados, já veio à tona a preocupação com posições da diplomacia brasileira – na avaliação dos sindicalistas, subserviente aos interesses dos Estados Unidos e hostil com outros parceiros comerciais.

O secretário de Relações Internacionais da CUT, Antonio Lisboa, observa que o Brics passa por um momento “extremamente difícil”, em uma conjuntura bastante diferente. As condições sob as quais o bloco foi constituído não incluíam, por exemplo, a crise global de 2008, a governança seguia outras diretrizes e o Brasil ganhava protagonismo mundial, com sua política de combate à pobreza, sua posição pró multilateralismo e sob a liderança do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nesse período, também emergiram as economias da Índia e, principalmente, da China, hoje maior parceiro comercial do Brasil.

Agora, o mundo “ainda não se recuperou da crise, há o avanço da extrema-direita, retirada de direitos, crises de refugiados”, lembra. O Brasil, diz ele, “se ajoelha” diante dos Estados Unidos e enxerga Rússia e China praticamente como inimigos. “Nós, trabalhadores, continuamos avançando no processo de parceria, de cooperação”, acrescenta Lisboa. Outro tema discutido foi o do avanço tecnológico, a chamada indústria 4.0 e os efeitos sob o trabalho e o emprego. A programação do encontro inclui apresentações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre trabalho inclusivo e seguridade social sustentável. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) fará exposição sobre “liberalização do mercado e o impacto nos mercados de trabalho do Brics”.