Outros tempos

Criador da moderna indústria automobilística, Henry Ford ‘deixa’ fábrica do ABC

Busto do empresário norte-americano será levado da fábrica de São Bernardo, que está em processo de venda, para Taubaté, no interior paulista

Reprodução
Rafael (à frente) com outros metalúrgicos diante do busto de Henry Ford, que irá de São Bernardo para Taubaté

São Paulo – Considerado o criador da moderna indústria automobilística, com o sistema de produção em massa de veículos, o empresário norte-americano Henry Ford (1863-1947) deixa simbolicamente a fábrica da montadora em São Bernardo do Campo, região do ABC paulista. Um grupo de metalúrgicos posou na manhã desta sexta-feira (27) próximo ao busto de Ford, que fica no Prédio 32 da fábrica, área administrativa. O ex-presidente e atual diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Rafael Marques informou que o busto será levado para a fábrica da Ford em Taubaté, no interior paulista, onde são produzidos motores, transmissões e componentes.

É mais um passo do fim das atividades da Ford na região do ABC, iniciadas em 1967, com a aquisição da Aero-Willys. Em 19 de fevereiro deste ano, a montadora anunciou o fechamento da fábrica, alegando tratar-se de uma estratégia global. Os trabalhadores fizeram uma série de manifestações, e uma representação chegou a ir aos Estados Unidos para tentar convencer a direção mundial da Ford a manter a unidade. Em abril, foi aprovado um acordo prevendo indenização aos funcionários, com participação nos lucros ou resultados (PLR), plano de demissões, assistência psicológico e cursos de qualificação  profissional, entre outros itens.

No dia 4 deste mês, durante evento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual paulista, foi feito o anúncio da intenção de compra da fábrica pelo grupo Caoa. A cerimônia teve a presença do governador João Doria e do prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, ambos do PSDB. A previsão é de que a negociação seja concluída em 45 dias. Sindicalistas também têm se reunido com a Caoa para discutir detalhes da contratação de funcionários.

Mais de mil funcionários deixaram a Ford desde o anúncio do fechamento. Inicialmente, em torno de 300 trabalhadores decidiram sair, e posteriormente por volta de 750 operários foram embora, depois do encerramento da produção do Fiesta. A unidade produz caminhões, que continuarão sendo fabricados em São Bernardo – a Caoa avalia que pode voltar a produzir automóveis no local. “Esperamos que na evolução dessas negociações, mais trabalhadores possam ser contratados, além desses 800 iniciais que são necessários para a produção de caminhões”, afirmou no dia 4 o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Wagner Santana, o Wagnão.

“Fizemos várias conversas com o governo do estado, com a prefeitura e com a própria Caoa. Assim que soubemos da intenção de compra, imediatamente buscamos os representantes para discutir a recontratação e os direitos dos trabalhadores, também tratamos sobre salários e convenção coletiva. Normalmente essas empresas poderiam não aproveitar nenhum trabalhador e contratar no mercado com salários inferiores, mas nós garantimos que isso não ocorra”, acrescentou o dirigente.

A “saída” de Ford marca um momento simbólico no processo de reestruturação que envolve os metalúrgicos, cujo sindicato continua apresentando propostas para acompanhar as mudanças na atividade industrial.