Home Trabalho Com desemprego maior entre jovens, paulistanos cobram investimento em políticas sociais
Acesso ao mercado

Com desemprego maior entre jovens, paulistanos cobram investimento em políticas sociais

Pesquisa da Rede Nossa São Paulo mostra que, na contramão dos cortes, população defende a promoção de políticas para capacitar e garantir o primeiro emprego à juventude
Publicado por Clara Assunção
11:03
Compartilhar:   
TVT/Reprodução

População entre 18 a 24 é a que mais sofre com desemprego a longo prazo, de acordo com Ipea

São Paulo – Pesquisa da Rede Nossa São Paulo divulgada nesta terça-feira (16) revela que nove em cada 10 pessoas na capital paulista acreditam que é preciso investir mais em políticas de assistência social para ajudar os jovens a entrar no mercado de trabalho. Hoje, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a população entre 18 e 24 anos é a que mais sofre com desemprego a longo prazo, tornando-se mais vulnerável frente aos cortes nas políticas de apoio.

Secretária de Juventude da CUT, Cibele Vieira afirma à repórter Martha Raquel do Seu Jornal, da TVT, que os jovens  chegam a ter 27% de taxa de desemprego. “Dependendo do estado, essa juventude desempregada pode chegar a 40%. Isso porque o acesso ao primeiro emprego é muito difícil. Então, quando o desemprego aumenta, a concorrência para o jovem fica muito desigual”, explica a ativista, destacando que a “reforma” da Previdência, que ainda será analisada pelo Câmara e pelo Senado a partir de agosto, pode precarizar ainda mais as condições dessa população.

No entanto, de acordo com o apurado pela pesquisa Viver em São Paulo: Assistência, a implementação de políticas públicas de capacitação poderia contribuir para melhorias nesse quadro. No entanto, a promoção dessas medidas não tem avançado nas gestões municipais mais recentes, de acordo com a gestora de projeto da Nossa São Paulo, Carolina Guimarães. “Especialmente os jovens em situações mais vulneráveis, com famílias com rendas mais baixas, eles podem de repente ficar menos preparados, sem ter a oportunidades de conhecer algumas áreas ou terem uma troca com especialistas que poderiam apoiá-los na oportunidade de primeiro emprego”, afirma.

Assista à reportagem da TVT