Home Trabalho Greve geral, previdência e ‘Vaza Jato’: ‘A classe trabalhadora sabe da gravidade da situação’
Sérgio Nobre, da CUT:

Greve geral, previdência e ‘Vaza Jato’: ‘A classe trabalhadora sabe da gravidade da situação’

Paralisação dos trabalhadores será "a maior que esse país já viu", segundo secretário-geral da central, Sérgio Nobre, e deve servir para a população refletir sobre a atual situação do país
Publicado por Tiago Pereira, da RBA
11:55
Compartilhar:   
CUT

Greve geral desta sexta-feira ocorre após sucessivas manifestações contra políticas prejudiciais à população pelo governo Bolsonaro

São Paulo – As relações promíscuas entre o então juiz Sergio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato, que vem sendo reveladas pelo The Intercept Brasil, que culminaram com a prisão ilegal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, servem como mais um motivo para que a população não saia de casa na greve geral desta sexta-feira (14) contra a “reforma” da Previdência. Em entrevista aos jornalistas Marilú Cabanãs e Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta quinta-feira (13), o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, diz que o governo Bolsonaro é ilegítimo e que, se Lula não estivesse preso, estaria nas portas das fábricas mobilizando os trabalhadores contra a destruição da Previdência Social.

“Os trabalhadores sabem da gravidade da situação. É importante que as pessoas não saiam de casa. A forma de protestar é a rua vazia. Será também um dia de reflexão sobre o que está acontecendo no nosso país. Se eles pensavam que iam entregar o país de mão beijada, não vai ser assim. Aqui tem classe trabalhadora organizada, que sabe lutar, entende os direitos que tem e não abre mão deles. Vai ser um dia histórico. A classe trabalhadora vai mostrar que está no jogo, e vai defender a Previdência“, disse Nobre.

Reprodução/RBA

Classe trabalhadora está organizada e não abre mão de direitos, diz Nobre

O secretário-geral da CUT destacou que a Previdência Social não é responsável apenas pelo pagamento das aposentadorias, mas também ampara o trabalhador em casos de acidente, doença ou viuvez. Lembrou também que os recursos das aposentadorias são vitais para o desenvolvimento econômico para a maioria dos municípios. Nobre destacou a união das centrais sindicais, o que faz apostar que esta será “a maior greve geral que esse país já viu”.

Ele ressaltou que Lula foi preso em processos “montados” para que pudessem fazer “maldades” contra os trabalhadores, e destacou que as conversas entre Moro e Dallagnol revelam inclusive que eles agiam também de acordo com interesses norte-americanos. “Se Lula estivesse solto, andando pelo país, duvido que eles iam fazer essa reforma da Previdência do jeito que estão querendo, porque ele estaria nas portas de fábrica denunciando o que está acontecendo. Não tem outra razão para ele estar preso, a não ser a maldade que estão fazendo: desmontar a legislação trabalhista, desmontar a Previdência e fazer o país andar para trás de novo, subordinado aos interesses internacionais.”

Ouça a íntegra da entrevista