Home Trabalho Em 10 anos, país registrou quase 70 mil casos de lesões por esforço repetitivo
Saúde no trabalho

Em 10 anos, país registrou quase 70 mil casos de lesões por esforço repetitivo

De acordo com o Ministério da Saúde, maior incidência está entre faxineiros, operadores de máquinas, alimentadores de linha de produção e cozinheiros
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
14:28
Compartilhar:   
Reprodução

Ministério da Saúde recomenda atenção à NR-17, enquanto governo quer 'simplificar' normas de segurança

São Paulo – Em um período de 10 anos, de 2007 a 2016, o país registrou 67.599 casos de lesões por esforço repetitivo e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/Dort), segundo estudo divulgado pelo Ministério da Saúde. “São as doenças que mais afetam os trabalhadores brasileiros”, informa o ministério, acrescentando que naquele intervalo o número anual de registros cresceu 184%, passando de 3.212 em 2007 para 9.122 em 2016.

“Os dados indicam aumento na exposição de trabalhadores a fatores de risco, que podem ocasionar incapacidade funcional”, afirma ainda o órgão governamental. De acordo com o estudo, o problema atinge principalmente mulheres (51,7%), trabalhadores entre 40 e 49 anos (33,6%) e pessoas com ensino médio completo (32,7%). A maior parte dos casos foi registrada na região Sudeste, com 58,4% das notificações. Apenas em 2016, os estados com maiores coeficientes de incidência foram Mato Grosso do Sul, São Paulo e Amazonas.

A ocorrência de LER/Dort foi maior entre profissionais que atuam nos setores de indústria, comércio, alimentação, transporte e serviços domésticos/limpeza. Entre as profissões, as mais atingidas foram as de faxineiro, operador de máquinas fixas, alimentador de linha de produção e cozinheiros.

Esses tipos de lesão e distúrbio “são danos recorrentes da utilização excessiva do sistema que movimenta o esqueleto humano e da falta de tempo para recuperação”, diz o Ministério da Saúde. As características aparecem quase sempre em estágio avançado, geralmente nos membro superiores, e incluem dor, sensação de peso e fadiga. “Algumas das principais, que acometem os trabalhadores, são as lesões no ombro e as inflamações em articulações e nos tecidos que cobrem os tendões.”

O ministério lembra que essas doenças podem prejudicar a produtividade e são responsáveis pela maior parte dos afastamentos do trabalho, representando custos com indenizações e tratamentos. E recomenda atenção à Norma Regulamentadora 17, “que estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores”.

Recentemente, o governo manifestou intenção de “simplificar” as NRs, em um país com elevado número de acidentes de trabalho, o que foi criticado pelos auditores-fiscais. O Ministério Público do Trabalho observa que mudanças nessas normas são feitas de forma tripartite, incluindo trabalhadores e empresários.