Home Trabalho ‘Reforma’ da Previdência joga ônus da crise nos trabalhadores
Retrocessos

‘Reforma’ da Previdência joga ônus da crise nos trabalhadores

Presidente da CTB contesta ofensiva do governo que coloca 'reforma' como condição para o país crescer. Na próxima sexta-feira, centrais farão um dia em defesa da Previdência pública
Publicado por Redação RBA
10:50
Compartilhar:   
Rovena Rosa/Abr
Ato contra reforma

Para presidente da CTB, governo repete estratégia usada desde o golpe contra ex-presidenta Dilma para passar “reforma”

São Paulo – As centrais sindicais convocam para esta sexta-feira (22) uma mobilização por todo o país contra a “reforma” da Previdência, proposta pelo governo de Jair Bolsonaro. A manifestação vem como reposta à ofensiva ensaiada pelo governo federal, que já faz articulações com empresários, jornalistas, integrantes do sistema financeiro e políticos para pregar o discurso de que sem a “reforma” da Previdência, o país não cresce. “O projeto do governo é promover um desmonte da seguridade social, penalizando aqueles que mais necessitam”, contesta o presidente da CTB, Adilson Araújo, em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, da Rádio Brasil Atual.

“Quando as pessoas adoecem precisam do seguro, da assistência social e da licença-maternidade, e não vão encontrar isso no Posto Ipiranga, até porque o Posto Ipiranga do povo é Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS)”, destaca Adilson, em referência a um dos mentores da proposta de emenda à Constituição (PEC) da Previdência, o ministro da Economia. Paulo Guedes. 

Na análise do dirigente, acompanhada também por entidades como CUT, Força Sindical, UGT, CSB, Intersindical, CSP-Conlutas, Intersindical, CGTB e NCST, a “reforma” é um retrocesso que não vai retirar o Brasil da crise financeira ao preservar os privilégios de alguns setores e ignorar a dívida de empresas privadas com a Previdência.

“A reforma joga o ônus da crise sobre a classe trabalhadora e nós teremos de dar como resposta as manifestações, a crescente mobilização para barrar toda e qualquer possibilidade de retrocesso, atraso e prejuízos que possam ser causados ao nosso povo, sobretudo, o povo pobre, humilde e que mais necessita”, defende o presidente da CTB. 

Ouça a entrevista na íntegra